Kleber Mendonça Filho na premiação do Janela. (Divulgação).

Kleber Mendonça Filho na premiação do Janela. (Divulgação).

Futuro Junho, da brasiliense Maria Augusta Ramos, e o romeno O Tesouro, de Corneliu Porumboiu foram os vencedores entre os longas do Janela Internacional de Cinema do Recife. A premiação aconteceu no domingo (15) em um evento bem informal no Orbe Coworking, no Centro do Recife. Na categoria de curtas, os prêmios principais foram para o mineiro Lembranças de Mayo, de Flávio C. von Sperling, e o australiano Caravan, de Keiran Watson-Bonnice. Mais de 19 mil pessoas frequentaram sessões no Cinema São Luiz, Cinema da Fundação e Cinema do Museu, um recorde de público.

O longa de Maria Augusta também levou menção honrosa do Janela Crítica e o prêmio de melhor longa pela Associação dos Blogs de Cinema de Pernambuco (ABC/PE). O romeno Corneliu Porumboiu, com seu longa O Tesouro (Comoara, Romênia, 2015), ganhou em duas categorias pelo júri oficial (prêmio especial e melhor imagem) e, ainda, foi eleito o melhor longa pelos jurados do Janela Crítica.

 “O Tesouro”, de Corneliu Porumboiu.

“O Tesouro”, de Corneliu Porumboiu.

Ainda na competição de longas, o prêmio de melhor som foi para Mate-me Por Favor (Brasil, Argentina, 2015), da diretora carioca Anita Rocha da Silveira; e o de melhor montagem, para Dead Slow Ahead (Espanha, França, 2015), do espanhol Mauro Herce. O júri de longas decidiu conceder uma menção especial a quatro jovens atores da novíssima safra de talentos do cinema brasileiro: Alyne Santana, de Boi Neon (Brasil, Uruguai, Holanda, 2015), dirigido por Gabriel Mascaro; Ariclenes e Júlia Bernat, de Aspirantes (Brasil, 2015), com direção de Ives Rosenfeld; e Valentina Herszage, de Mate-me, por favor.

Instituído pelo Janela desde a edição do ano passado em homenagem ao amigo e crítico baiano falecido em 2014, foi concedido ao longa português Visita ou Memórias e Confissões, autobiografia de 1982 do mestre Manoel Oliveira, falecido em abril deste ano, o Prêmio João Sampaio para Filmes Finíssimos que Celebram a Vida.

Curtas

O júri de curtas nacionais elegeu o mineiro Lembranças de Mayo, de Flávio C. von Sperling a melhor na categoria. O júri oficial também concedeu prêmios para Submarino (São Paulo, 2014), de Rafael Aidar (melhor imagem); Outubro Acabou (Brasil, Portugal, 2015), de Miguel Seabra Lopes e Karen Akerman (melhor montagem); Quintal (Minas Gerais, 2015), de André Novais Oliveira (melhor som); e E (São Paulo, 2014), de Alexandre Wahrhaftig, Helena Ungaretti e Miguel Antunes (menção honrosa/especial).

Na Competição Internacional de Curtas, o júri premiou o australiano Caravan (2014), de Keiran Watson-Bonnice, como o melhor do festival. A melhor imagem foi para o colombiano La impresión de uma Guerra (2015), de Camilo Restrepo; o melhor som para The Old Jewish Cemetary (Letônia, Holanda, 2014), de Sergei Loznitsa; a melhor montagem para I’m in Pittsburg and it’s raining (EUA, 2015), de Jesse McLean; e, ainda, menção honrosa de melhor ator para Lamine Diaby, por La Fin du Dragon (França, 2015), da diretora Marina Diaby.

Em parceria com o Canal Curta!, também foi concedido aos dois curtas A Festa dos Cães (Ceará, 2015), de Leonardo Mouramateus, e A outra margem (Mato Grosso do Sul, 2015), de Nathalia Tereza (eleito o melhor curta pelo júri da Associação dos Blogs de Cinema de Pernambuco- ABC/PE, junto com De Terça Pra Quarta, de Victor Costa Lopes), o Prêmio de Aquisição do Canal Curta!.

Lista completa dos premiados do VIII Janela Internacional de Cinema do Recife

MOSTRA COMPETITIVA DE LONGAS-METRAGENS:

Melhor Longa: “Futuro Junho”, de Maria Augusta Ramos
Prêmio Especial: “O Tesouro”, de Corneliu Porumboiu
Melhor Montagem: “Dead Slow Ahead”, de Mauro Herce
Melhor Imagem: cena final da caixa de “O Tesouro”, de Corneliu Porumboiu
Melhor Som: “Mate-me, Por Favor”, de Anita Rocha da Silveira
Menção Especial para melhor ator: Alyne Santana, de “Boi Neon”, de Gabriel Mascaro; Ariclenes e Júlia Bernat, de “Aspirantes”, de Ives Rosenfeld; e, Valentina Herszage, de “Mate-me, por favor”, de Anita Rocha da Silveira.

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTA-METRAGEM INTERNACIONAL:

Melhor curta internacional: “Caravan” (Austrália), de Keiran Watson-Bonnice
Melhor Imagem: “La impresión de una Guerra” (Colômbia), de Camilo Restrepo
Melhor Som: “The Old Jewish Cemetary” (Letônia, Holanda), de Sergei Loznitsa
Melhor Montagem: “I’m in Pittsburg and it’s raining” (EUA), de Jesse McLean
Menção especial para melhor ator: Lamine Diaby, por “La fin du dragon” (França), de Marina Diaby

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTA-METRAGEM NACIONAL:

Melhor curta nacional: “Lembranças de Mayo”, de Flávio C. von Sperling
Melhor imagem: “Submarino”, de Rafael Aidar
Melhor montagem: “Outubro Acabou”, de Miguel Seabra Lopes e Karen Akerman
Melhor Som: “Quintal”, de André Novais Oliveira
Menção Honrosa/Especial do Júri: “E”, de Alexandre Wahrhaftig, Helena Ungaretti e Miguel Antunes

PRÊMIO JANELA CRÍTICA:

Melhor curta nacional: “De terça pra Quarta”, de Victor Costa Lopes
Melhor curta internacional: “Coro dos Amantes”, de Tiago Guedes
Melhor Longa: “O Tesouro”, de Corneliu Porumboiu
Menção Honrosa: “Futuro Junho”, de Maria Augusta Ramos
PRÊMIO ABC (Associação dos Blogs de Cinema de Pernambuco- ABC/PE):
Melhor Longa: “Mate-me por favor”, de Anita Rocha da Silveira
Melhor Curta: “De Terça pra Quarta”, de Victor Costa Lopes; e “A Outra Margem”, de Nathalia Tereza
PRÊMIO ABD (Associação Brasileira de Documentaristas e Curtametragistas de Pernambuco – ABD/PE):
Curta “Quintal”, de André Novais Oliveira
PRÊMIO FEPEC (Federação Pernambucana de Cineclubes)
Curta “História de Ibraim”, de Otavio Cury

PRÊMIO DE AQUISIÇÃO DO CANAL CURTA!
Curtas “A festa e os cães”, de Leonardo Mouramateus, e “A outra margem”, de Nathalia Tereza

PRÊMIO JOÃO SAMPAIO PARA FILMES FINÍSSIMOS QUE CELEBRAM A VIDA
“Visita ou Memórias e Confissões”, de Manoel de Oliveira (in memoriam)

Sem mais artigos