A revista Vogue tem 126 anos. E nesse mais de um século nunca um fotógrafo ou fotógrafa negro/a assinou a imagem de capa da publicação. Precisou Beyoncé, hoje uma das maiores popstars do mundo, para mudar esse paradigma de baixa representatividade (pra não dizer racismo). A cantora estampa a capa de setembro com imagens feitas pelo jovem Tyler Mitchell, de apenas 23 anos.

A matéria de capa já pode ser lida online no site da Vogue. Mitchell, apesar da pouca idade, já tem no currículo capas para a The Fader, Teen Vogue, além de editoriais da i-D e campanhas de Marc Jacobs e Ray-Ban, entre outros. Segundo o Huffington Post, a escolha do fotógrafo partiu da própria Beyoncé como uma das condições em participar da publicação. Ela também teria escolhido as imagens do editorial e ainda a legenda das fotos.

Ainda segundo a fonte ouvida pelo HuffPost, Beyoncé teria usado seu poder e influência como forma de dar mais visibilidade às baixas oportunidades que talentos negros recebem em uma publicação poderosa como a Vogue US. Além disso, até hoje, nenhuma estrela da capa teria tido tanto controle sobre a edição de seu próprio editorial na revista.

A edição de setembro da Vogue (bem como da maioria das revistas de moda) é bastante influente para a indústria, pois aponta tendências que afetam toda a cadeia produtiva. Por isso, o número de anunciantes é imenso, fazendo da revista uma verdadeira “bíblia”, com média de 600 a 700 páginas.

A edição com Beyoncé na capa já é histórica pela conquista de território marcada por uma celebridade negra. Que essa revista marque o início de um novo (e mais diversificado) momento para a Vogue.

O fotógrafo Tyler Mitchell, estrela em ascenção na indústria. (Reprodução/Instagram).

Sem mais artigos