A segunda edição da , que acontecerá no evento Libertinagem Gogó e Teile, no Espaço Sinspire, busca reunir alguns curtas produzidos de forma totalmente independente e com um orçamento mínimo. A Mostra é realizada por estudantes de cinema da região metropolitana do Recife, em trás o tema “Como o Som Pode Dialogar com a Dimensão Cinematográfica?”. Será este sábado (15), às 14h, com ingressos a R$ 15.

Cada um dos filmes reunidos nesta edição, dialogam de uma forma distinta com sua sonoridade. Há exemplos de filmes  completamente dublados e que criam uma relação libertadora com suas músicas e sua sonoplastia, induzindo a manipulação do som para momentos chaves em que a sensação fílmica é elevada a sentimentos reconfortantes. É o caso do Curta de Alexandre Pitanga, Eu Continuo Dançando Sozinho, selecionado pelo FestCine 2018 que aconteceu na primeira semana de dezembro no Cinema São Luiz.

Hoje existe uma gama de ferramentas sonoras a disposição do artista e podem ser utilizadas das mais variadas maneiras, a fim de criar as mais variadas dimensões cinematográficas. A tecnologia vem dando as ferramentas necessárias aos realizadores independentes para realizar trabalhos de alto nível, sem a necessidade de grandes orçamentos, que é o caso do curta AA- .

O filme que tem sua narrativa completamente construído sonoramente, teve sua trilha e sonoplastia 60% produzida eletronicamente, através da edição de beats ou sons criados através de um trabalho de mixagem. “É um dos filmes que serviu como um estilingue experimental. “Eu tinha o objetivo de encarar algo totalmente diferente dos outros projetos e deu bastante certo. A história conta um episódio trágico na vida do personagem e o objetivo foi mostrar em primeira pessoa, levando o espectador através do desconforto para um pouco mais perto do que aquela vítima sentiu”, afirma Pedro Ferreira, diretor do curta.

O curta trabalha uma estética sonora voltada ao terror e perturbação, trabalhando as formas que as sonoridades utilizadas podem mexer com certos aspectos emocionais do espectador. O projeto contou com as parcerias de um músico iniciante de São Paulo, Pedro Noronha e com o mineiro, Vitor Brauer, vocalista da banda Lupe de Lupe, que também participa da trilha sonora do filme. Ele ainda completa “O Aa- me surpreendeu bastante por servir como um tipo de primeiro passo na linha experimental, ele me deu bastante bagagem para trabalhar outros projetos. Exibi o filme em São Paulo e houve um retorno positivo que eu não esperava”.

O 2º MCIR conta também com a primeira exibição do curta autorretrato de Pedro Ferreira, que irá ser lançado oficialmente em fevereiro nos circuito de festivais de cinema pelo Brasil. O filme utiliza a temática de se auto retratar, para trabalhar questões que vão além do universo individual, trabalhando as complicações que aparecem no âmbito dos relacionamentos, da identidade e do posicionamento dos jovens no contexto contemporâneo que o Brasil vive.

“Eu Continuo Dançando Sozinho”, de Alexandre Pitanga, foi selecionado pelo FestCine 2018

SERVIÇO:

Festa Libertinagem, Gogó e Teile

Com Boa Vista Hard Club, Mascates, Gelo Baiano e DJ Keilla Liberal

Quando: sábado, 15 de dezembro de 2018

Horário: 14h – 20h

Onde: SinsPire Arsenal (Rua da Guia, 234 – Bairro do Recife)

Entrada: R$ 15 (antecipado com comissários do evento) / R$ 20 (na porta do evento)

Mais informações: 99533-2415 / 98804-8423

 

Sem mais artigos