NOVOS COMEÇOS
Zach De La Rocha e John Theodore se unem para formatar um duo que promete sacudir o mercado fonográfico
Por Lidiana de Moraes

ONE DAY AS A LION
One Day As A Lion
[ANTI-, 2008]

Uma das bandas que deram início a nova safra dos chamados “supergroups” foi o Audioslave. A junção entre o ex-Soundgarden, Chris Cornell, com a cozinha do Rage Against the Machine, Tom Morello, Brad Wilk e Tim Commerford, durou três discos, mas a cada trabalho ia perdendo a força, e quando terminaram em 2007, já não interessavam tanto quanto suas bandas anteriores.

Enquanto o guitarrista Tom Morello continuava sob os holofotes como um dos grandes virtuoses do novo século, o vocalista de seu antigo grupo, Zack de La Rocha, permanecia nas sombras. Mas o trabalho que o R.A.T.M. havia feito com a sua mistura de rock de protesto, rap e funk ainda mostrava resultados e influenciava a safra musical mais recente. Um dos frutos desta influência era o grupo The Mars Volta que também brincava de fazer salada com uma bateria bem pesada, mais letras provocantes e uma pitada latina em suas melodias.

Outro latino que pode ser colocado nesta história toda é o fotógrafo George Rodriguez. Nos anos 70 ele foi responsável por uma imagem célebre onde se via escrito “é melhor viver um dia como um leão, do que mil como um cordeiro”. Foi essa frase que inspirou Zack e o ex-baterista do Mars Volta, John Theodore, a formar o One Day as a Lion.

Com a agilidade de um animal ardiloso, os leões lançaram um ep homônimo, com cinco faixas que bastam para provar que em termos de barulho, os seus ex-companheiros de selva, realmente não passam de corderinhos. O primeiro single, “Wild International”, apresenta o duo que usa a voz característica de Zack, cantando com seu estilo rapeado, que se tornou sua marca. Mas quem pensa que o One Day veio para fazer rap está enganado. De La Rocha aprendeu a adicionar uma certa sinuosidade às suas rimas, o que complementa com perfeição a bateria grooveada de Theodore.

“Ocean View” começa com ares de System of a Down, mas assim como virá a ser comprovado na melhor música do ep, “If You Fear Dying”, mais do que relembrar qualquer banda que tenha seguido a risca o que um dia o Rage Against the Machine tinha feito, Zack e Theodore bebem de uma água que parece ter sido dada pelo produtor e presidente da famosa Jam Records, Rick Rubin, que em união com o rapper Jay –Z lançou há alguns anos, a sublime 99 problems.

Se apenas dois músicos, precisram de cinco canções, para fazer um barulho tão assombroso, imagine o que eles poderiam fazer em um disco inteiro? One Day As A Lion tem grandes chances de ser uma das grandes surpresas de 2008, e arrasar a concorrência animalesca das florestas sonoras.

NOTA: 8,0.

Sem mais artigos