Foto: Gianny Melo para a Revista O Grito!.

Foto: Gianny Melo para a Revista O Grito!.

Antes e a despeito de qualquer coisa, já antecipo que o post é dedicado à moçada dourada que mora da Ponte do Pina pra lá, a galera da zona Sul. Fui mocinha zona Sul muito tempo da minha vida, quando morava em Candeias City e amargava duas horas do finado Candeias-Dois Irmãos pra chegar à UFPE.

Leia Mais: Comedoria cafuçu <3
Pastel de rua: gastronomia vs raio gourmetizador
A melhor doceria quase secreta do Recife
Segredo bem guardado da Boa Vista
A China é aqui (no caso, o vuco-vuco do Centro)

Mas vamos ao que importa: A caldeirada de Roberto. Na verdade o estabelecimento dele – que só abre aos sábados e domingos de 9h às 16h – chama-se Feijoada do Chef. O endereço mesmo é Rua Joaquim Marquês de Jesus, 451, na Galeria Piedade. Pros Nativos, a referência é a rua mais próxima ao Banco do Brasil de Piedade. Pros não-nativos, aconselho ir de navegação GPS mesmo.

Roberto, o chef, vem de uma linhagem que faz das panelas profissão. Sua mãe sempre trabalhou fornecendo almoços para empresas e, entre frigideiras e caçarolas, ele cuidava da logística do negócio familiar até enveredar pelo curso de gastrô da Faculdade SENAC. No negócio, se dedica à gastronomia ancestral, aquela de raiz e cujos pratos são ciumentos, pois exigem tempo e atenção especial numa dedicação exclusiva às panelas.

Seus números são nababescos. Por final de semana, ele comercializa 120 kg de feijoada, outros 100 de dobradinha, 70 de caldeirada e mais 30 de sururu. Eu destaco, entretanto, a caldeirada. Jamais provei outra parecida. A de Roberto leva peixe, polvo, anéis de lula, mariscos (ou mexilhões, jamais os dois concomitantemente) e, vez por outra, kani kama. Sem rapapés, o local dispõe de mesinhas acondicionadas ao longo do corredor da pequena galeria e, pros pimpolhos, há um pula-pula na área.

Foto: Gianny Melo para a Revista O Grito!.

Foto: Gianny Melo para a Revista O Grito!.

O melhor? O precinho: o quilo sai por 40 Dilmas. Comem quatro pessoas fácil. Se a fome não for tanta, as menores porções saem em copos de 150 ml por R$ 6,00; o prato de 200g é vendido por R$ 7,50 e o de 400 g sai por R$ 15,00. Pra quem mora fora dos limites de ‘Jaburacão dos Guararapes’ aqui vem a boa notícia: Roberto tem sistema de entrega até o bairro de Boa Viagem. E a taxa extra é de apenas quatro Reais. Entretanto, é bom estar atento: sábado passado chegamos por volta das 13h e pegamos a última porção disponível de caldeirada.

Caso tenha batido a curiosidade em relação aos outros pratos, a fama faz jus e o preço é ainda mais competitivo: o quilo de feijoada, sururu ou dobradinha é comercializado por R$ 26,00. Pra bebericar, Roberto é democrático: disponibiliza desde aquela Heineken trincando a quartinhos de conhaque de Alcatrão, Montila, Orloff, Teacher’s e Johnnie Walker Red (o item mais caro da carta, que custa R$ 7,00).

PS.: Sou péssima fotógrafa (não vou mentir) e caldeirada é um negócio esquisitinho mesmo, mas contei com a ajuda preciosa de Gianny Melo, que gentilmente fez os registros do celular dela.

caldeirada2

Serviço:
Feijoada do Chef
Joaquim Marquês de Jesus, 451, Galeria Piedade
Horário de atendimento – sábado e domingo, de 9h às 16h
Cartões – Aceita
Para encomendas – (81) 8776.5513

Sem mais artigos