Iniciada em 16 de março, a temporada 2019 de fotografia no museu Murillo La Greca que tem como foco trabalhar a resistência. Os trabalhos se lançam sobre questões de gênero, relações de intimidade e materialidades, estreia a exposição Resistência Vaga-lume. Ao total, 10 fotógrafos participam do do projeto.

Tiago Duque trabalha o íntimo na sua fotografia

Em “Agora eu era”, Tiago Duque busca as relações entre o cotidiano do íntimo familiar e a micropolítica (Foto: Divulgação)

A concepção e a curadoria são de Daniela Bracchi, Eduardo Queiroga e Mateus Sá. Os trabalhos expostos levam as assinaturas de Carol Melo, Christina Schug, Clara Simas, Elysangela Freitas, Guilherme Benzaquen, Keila Vieira, Larissa Alves, Társio Alves, Tiago Lubambo e Tiago Duque.

Adotando o tema Reflexo do abandono, Chris Schung fala aborda o desafio de ser mulher (Foto: Divulgação)

Adotando o tema Reflexo do abandono, Chris Schung fala aborda o desafio de ser mulher (Foto: Divulgação)

Na intuito de trazer à tona a resistência, as imagens que compõem a exposição vão desde a fotografia documental no cotidiano da rua, que se coloca contra estereótipos culturais, sociais e urbanos, até a elaboração de subjetividades e abstrações em contextos íntimos, expondo as fissuras nas relações hegemônicas com o corpo, a política, o feminino e a intimidade. “Ao contrário dos holofotes sempre voltados para os grandes acontecimentos, essa exposição busca as potências de um cotidiano em resistência”, diz o texto de abertura da mostra, assinado por Guilherme Benzaquen.

A exposição vai até o dia 30 de março. De terça à sexta, das 09h às 12h e das 14h às 17h; aos sábados das 15h às 18h. O evento é gratuito. Para mais informações, ligar para (81) 3355-3129.

Sem mais artigos