O músico norte-americano foi um dos nomes mais enigmáticos do rock. Era tido como “herói do underground” e era, de fato, um artista verdadeiramente outsider. Ele morreu de ataque cardíaco aos 58 anos nesta quarta (11), segundo informou seu ex-empresário Jeff Tartakov.

Conhecido por seu álbum Hi, How Are You: The Unfinished Album, de 1983 (aquele da famosa capa com um monstro de olhos enormes), Johnston teve sua figura pública divulgada no meio roqueiro através de seus fãs ilustres, como Kurt Cobain, do Nirvana e a banda Sonic Youth.

Em seus 30 anos de carreira ele gravou mais de 20 discos, a grande maioria de maneira independente.

Johnston sofria de transtorno bipolar e esquizofrenia, além de diabetes e problemas no rim. Ele sempre foi uma figura reclusa e alheio aos ditames midiáticos, mas sua saúde mental piorou de forma considerável a partir de 2016. Quase nunca dava entrevistas, mas conseguia fazer shows esporádicos. Sua última turnê foi em 2017.

Nascido em Sacramento, Califórnia, ele cresceu na Virgínia do Norte. Estudou piano, órgão e boombox no ensino médio e chegou a iniciar duas faculdades de músicas, mesma época em gravou seu primeiro EP, Songs of Pain (1981).

Um dos seus últimos trabalhos foi The Late Great Daniel Johnston: Discovered Covered (2004), com participação de nomes como TV On The Radio, Bright Eyes, Beck e Tom Waits. Em 2005, o diretor Jeff Feuerzieg lançou o premiado documentário The Devil and Daniel Johnston. O derradeiro trabalho veio em 2012, Space Ducks: Soundtrack.

Sem mais artigos