Foto: Jedson Nobre/Divulgação.

Veterano: Márcio já tocou com Spok, Orquestra Popular do Recife e Zé Cafofinho. (Foto: Jedson Nobre/Divulgação).

O músico pernambucano Márcio Oliveira lança seu primeiro disco solo, Encabeçando. O álbum mistura afrobeat e jazz com ritmos pernambucanos.

Nascido em 1977, Márcio Oliveira, é um veterano do trompete na cena pop pernambucana. Teve o primeiro contato com o instrumento aos 12 anos, em bandas musicais dos bairros de Peixinhos e Maranguape 1, na periferia do Grande Recife. Aos 14, bateu na porta do camarim do Teatro Santa Isabel, encantado com a apresentação que tinha acabado de assistir, para pedir aulas ao então solista da Orquestra Sinfônica do Recife, Enock Chagas. Foi Enock quem o orientou, posteriormente, a ingressar no Conservatório Pernambucano de Música, onde permaneceu por oito anos como bolsista.

Como trompetista fez parte da Orquestra de Pau e Corda, do Coral Edgard Moraes (do maestro Marco César), entre 1996 e 2006, e a Orquestra Popular do Recife, regida pelo maestro Ademir Araújo, entre 2005 e 2007. Também integrou a Orquestra de Frevo do maestro Spok e a Orquestra Popular da Bomba do Hemetério, do maestro Forró.

Foto: Jedson Nobre/Divulgação.

Foto: Jedson Nobre/Divulgação.

A partir de 2006, Márcio Oliveira fez parte da Zé Cafofinho, Bande Dessinée, N’Zambi, Abeokuta, além de ter sido trompetista dos filmes Deus é Brasileiro (2003), de Cacá Diegues, Di Melo – O Imorrível (2012), de Alan Oliveira e Épico Culinário (2013), do artista plástico pernambucano Paulo Meira.

Para Encabeçando, Marcio reuniu instrumentistas de peso como os percussionistas Toca Ogan e Willy Peixe (Orquestra do Sucesso); o baterista Nino Silva (Orquestra do Sucesso), e o tecladista Bactéria (Mundo Livre S/A). O álbum possui 12 faixas e conta ainda com a participação especial dos artistas Isaar, André Sampaio, Zé Brown, Zé Cafofinho, Gilú Amaral e Cláudio Rabeca.

O show de estreia será nesta quinta (4), no Palafa Clube. A casa abre 19h e o ingresso custa R$ 10.

Sem mais artigos