recebeu o prêmio da em reconhecimento ao seu apoio à comunidade LGBT. A cerimônia aconteceu sábado (4), em Nova York.

Em um discurso emocionado, Madonna relembrou os amigos que perdeu para a aids e também todo o apoio que recebeu da comunidade gay do início da carreira até hoje.

“O 1º gay que conheci foi a 1ª pessoa que acreditou em mim, Christopher Flynn”, disse ela emocionada. “Ele foi a primeira pessoa que acreditou em mim. Isso me fez sentir especial como bailarina, como artista e como ser humano. Ele sei que isso parece trivial, mas ele foi o primeiro homem a dizer que eu era bonita”.

Foi este seu amigo Christopher que a encorajou a se mudar para Nova York. “Pela primeira vez eu vi homens beijando homens, meninas vestidas como meninos, meninos vestindo calças de cintura alta, loucas e incríveis danças e uma espécie de liberdade e alegria e felicidade que eu nunca tinha visto antes. Eu finalmente senti que não estava sozinha, que era ok ser diferente e não ser como todo mundo. E depois disso tudo, eu não era uma aberração. Eu me senti em casa e isso me deu esperança.”

Madonna também falou da epidemia da aids e como isso a afetou: “A praga se moveu como uma nuvem negra sobre Nova York e em um piscar de olhos pegou todos os meus amigos. Depois que eu perdi meu melhor amigo e colega de quarto Martin Burgoyne e depois Keith Haring – feliz aniversário Keith – eu decidi realmente revidar.”

A GLAAD é uma organização que luta contra a difamação e o preconceito LGBT na mídia e é conhecida por reconhecer aliados entre as celebridades para dar mais visibilidade à luta por direitos.

Veja o discurso na íntegra:

Sem mais artigos