Los Hermanos celebram 15 anos de carreira com show messiânico

Por Rafaella Soares
Da Revista O Grito!, no Recife

Fotos de Rafael Passos

Era de esperar que após um hiato de três anos, a reação seria passional e ensurdecedora, por onde a banda carioca Los Hermanos passasse com seu show comemorativo de 15 anos. A apresentação desta sexta-feira (20), no Chevrolet Hall, abrindo o festival Abril pro Rock em sua 20ª edição, teve ares de culto religioso, ainda que a figura de linguagem seja usada apenas para tentar dimensionar o fervor do espetáculo seja em vão. Nada se assemelha a um show de Los Hermanos no showbiz brasileiro.

É possível que algum desavisado (a), que esteja lá para acompanhar alguém, passe a ouvir a banda mais atentamente depois de ver Marcelo Camelo, Bruno Medina e os Rodrigos Amarante e Barba ao vivo. O fato é que assistir um show deles sem conhecer seu enxuto repertório, profícuo em sucessos, deve ser desconcertante. O público canta ininterruptamente músicas dos quatro discos de estúdio da banda, sem que a ordem em que elas apareçam ou uma eventual mudança de arranjo e andamento interfira no coro dos presentes.

Do seu disco mais cultuado, Ventura, tocaram “Deixa o Verão”, “O Último Romance”, “O Vencedor”, “Samba a Dois”, “Do Sétimo Andar”, “Cara Estranho”, “Além do Que Se Vê”, “Conversa de Botas Batidas” (esta quase nunca executada ao vivo, e “Um Par”. Para ensopar ainda mais as roupas, do Bloco do Eu Sozinho tocaram “Retrato pra Iaiá”, “Casa Pré-Fabricada”, “Sentimental”, “A Flor”, “Veja Bem, Meu Bem”, “Cadê teu Suin”. Do disco 4, foram “Dois Barcos”, “Paquetá”, “Pois É”, “Morena” e “Primeiro Andar”.

Como grande presente da noite, duas músicas inéditas e ainda sem nome, deixando no ar a expectativa de que uma volta esteja nos planos dos músicos, ainda que cada um individualmente esteja envolvido em seus respectivos projetos. Rolou até um bis com músicas do primeiro disco, homônimo, sempre bastante pedidas e ainda carregadas da energia punk rock com o qual o grupo começou, “Quem Sabe”, “Tenha Dó” e “Pierrot”.

Viral ao vivo – A Banda Mais Bonita da Cidade aproveitou o festival para mostrar que era bem mais que um simples meme. A mais famosa música do grupo, “Oração”, esteve presente, encerrando o som, mas mandaram diversos bons momentos da sua estreia em disco. O dia ainda teve o pernambucano Tibério Azul e a vencedora do concurso Bis Pro Rock, Somato (SC).

Sem mais artigos