Por Rafaella Soares, repórter da Revista O Grito!. Foto: Carol Bittencourt

Opção off-alfaia do Recife – não é regra, mas ajuda a dar propriedade à tal multiculturalidade pregada -, o Polo Mangue do Cais da Alfândega abriga mais uma edição bem heterogênea do Rec Beat agora em 2010, porém mais low profile.

Na escalação, nomes tão distintos quanto Magic Slim (EUA) e Renegado duelam pela atenção de quem transita num Recife Antigo cheio de possibilidades. Esse último fez o show mais empolgante da noite, ao lado de Lucas Santana (BA). Um hip hop de refrão grudento.

O novato da MPB teve com quem aprender em casa: seu pai, Roberto Santana, foi responsável ‘apenas’ por apresentar Caetano Veloso e Gilberto Gil em Salvador.

A Radistae (PE) foi prejudicada por problemas no som e Zé Manoel, outro artista local, teve o show encurtado pelo mesmo motivo. A tradição de sempre trazer uma banda chicana para dar molho à salada foi seguida com a escalação de Puerto Candelária (Colômbia).

Sem mais artigos