Renegado curtiu muito o filme PS: Eu Te Amo: “Até os manos fazem manutenção nos sentimentos” (Foto: Bárbara Dutra/ Divulgação)

DE RACIONAIS A BATMAN

Renegado, um dos mais promissores rappers a surgir no cenário pop atual inaugura uma nova seção da Revista O Grito! que se dedica a conhecer um pouco mais das influências e gostos de artistas da cena contemporânea. Vencedor do Prêmio Hutuz, o maior do gênero hip hop na América Latina, onde ganhou como “revelação”, ele se apresentou em Pernambuco em janeiro dentro do festival Grito Rock. Por email ele concedeu a seguinte entrevista.

VOCÊ DESTACA INFLUÊNCIAS COMO REGGAE, MARACATU, SAMBA. COMO RITMOS TÃO DIFERENTES SE ENCONTRAM EM SEU TRABALHO?
Sim, apesar dessa diversidade todas estas influências que trago para o meu trabalho sao ritmos que realmente tiveram uma relevância muito grande na minha formação, pois tive a oportunidade de crescer ouvindo muito samba, Clara, Bezerra, Zeca e quando entrei na adolescência conheci Chico Science e Nação, Planet, e os grandes ícones da cultura hip hop.

E a minha geração nasceu em uma época em que as fronteiras são coisas que podem ser superadas e a palavra de ordem é se misturar. Por isso me sinto com legitimidade pra fazer essa utilização.

PRIMEIRO DISCO QUE COMPROU. TEVE ALGUMA REPERCUSSÃO NA SUA FORMAÇÃO?
Sim, mas por causa da minha situação financeira da época eu não tive dinheiro pra comprar um disco e ainda nao tinha o CD. A minha primeira aquisição foi uma fita K7 do Racionais Mc’s Raio X do Brasil, que durante anos foi o meu “disco” de cabeceira.

MELHOR DISCO QUE OUVIU ANO PASSADO
Nossa, não sei dizer se esses discos foram lançados ano passado, mas sei que ouvi muito, em vários momentos, o disco da Céu e de uma queniana muito talentosa chamada Nneka. Muito bons os sons, eu recomendo.

FILME PREFERIDO (OU O QUE ACHOU MAIS EMBLEMÁTICO)
Eu vou falar três filmes, e é até engraçado, pois nem um dos três tem conexão entre si. Mas todos me sensibilizaram de alguma forma:
Volver, do Almodóvar. Muito bom. Gosto muito da forma como ele retrata a vida. Batman – O Cavaleiro das Trevas. O homem morcego sempre o foi o meu herói preferido, por ser um homem sem super poderes que luta pelo o que acredita. Ele não nasceu herói, ele se fez herói. P.s: Eu Te Amo. É, mano, até os Renegados e rebeldes fazem manutenção dos sentimentos. (Risos). E estou aguardando os novos frutos da produção nacional.

MELHOR COISA PARA SE FAZER EM BELO HORIZONTE
BH é conhecida como a cidade dos bares e botecos, isso realmente pode ser um bom programa, mas toda vez que viajo e retorno a BH, sempre que posso vou no mirante da cidade. Pra mim é um lugar mágico, eu o chamo de “chão de estrelas”. Um lugar onde consigo meditar de olhos abertos.

RAPPER PREFERIDO E O MENOS RELEVANTE
Nesses últimos tempos eu fiquei muito ligado no Kanye West, me chamou muita atenção pela musicalidade e como produtor musical ele tem um faro muito bom para o mercado. Consegue ter uma atuação forte dentro do mainstream com uma postura quase underground. Vejo isso como uma nova concepção de artista do século 21, um artista que se renova e que pode transitar livremente por qualquer estilo, mas sempre seguindo uma linha de pensamento. Mano, eu não tenho um rapper menos relevante, eu acho que a música tem várias formas de serem produzidas e difundidas, acho que a música, em um contexto geral, deve quebrar fronteiras, conceitos e preconceitos.

O QUEM TEM DE MELHOR NA CENA HIP HOP NO BRASIL ATUALMENTE?
Tenho ficado muito atento aos novos grupos da cena nacional, pois acredito e me incluo no bonde da nova geração que está abrasileirando o Rap nacional, trazendo ao tradicional rap norte americano algo a mais do que só pronunciar versos ferozes em cima do beat eletrônico, mas sim fazer algo diferente trazendo a malemolência das cores tupiniquins. Minha sugestão de disco que saiu no último ano: Pentágono é Inquérito.


Rapper gostou bastante de Kanye West, mas preferiu se abster em citar o nome menos relevante no Hip Hop (Foto: Bárbara Dutra/ Divulgação)

O QUE INSPIRA OS RAPPERS BRASILEIROS?
Mano, eu vejo inspiração como uma coisa muito particular. No meu caso, tenho inspiração nas coisas simples do meu dia a dia, seja na minha comunidade ou mesmo fora dela eu me banzeio muito nas formas das relações humanas e no chão vermelho do Alto Vera Cruz, comunidade em que nasci e sou residente.

DE QUEM MAIS GOSTA NA MÚSICA BRASILEIRA?
A minha base musical é toda focada na música brasileira. Tenho ídolos e referências como: Chico Science e Nação Zumbi, Jorge Ben, O Rappa, Bezerra da Silva e Luiz Gonzaga.

O QUE MAIS OUVIU ENQUANTO GRAVAVA SEU DISCO?
Durante o período do disco e ouvi pouquíssimas coisas, porque fiquei com medo de ter alguma influência gritante no trabalho. Só escutei o disco da Nneka que comentei acima.

MAIS: www.myspace.com/arebeldia

Sem mais artigos