Garage Fuzz, Safari Hamburguers, White Frogs, Sociedade Armada, The Bombers, Sonic Sex Panic e Blind são alguns dos nomes que fizeram parte da cena hardcore santista. Agora a importância desse pessoal será resgatada em um documentário que estreia este ano.

Nos anos 1990, devido à enorme quantidade de bandas independentes em atividade, ao grande público presente nos shows, e claro, à sua geografia, Santos ganhou o apelido de “Califórnia Brasileira”. Aprovado por uns, rechaçado por outros, o fato é que o apelido pegou e a importância do cenário local neste recorte histórico é inegável.

Essas bandas de Santos importaram em tempo real as principais tendências desses segmentos musicais dos EUA, chegando ao ponto que tais estilos fossem a principal música jovem da cidade em meados da década de 1990, tudo isso aliado a muito surf e skate.

Com depoimentos e muitas imagens de arquivo, o documentário mostra o que foi a produção musical e cultural do período e se propõe a registrar uma das muitas visões possíveis de um movimento plural e até hoje inspirador. O longa foi produzido de maneira 100% independente, feito a partir de recursos próprios, sem apoio ou verbas pública ou privada.

Califórnia Brasileira – O Hardcore Punk em Santos – 1991 a 1999 acompanha esse período e retrata as peculiaridades da cena local sob a visão e direção de Rodiney Assunção e Wladimyr Cruz (de Woodstock – Mais que uma loja), dupla responsável pelo longa Os Portais Do Inferno Se Abrem: A história do Vulcano.

O documentário de longa-metragem será lançado dia 18 de abril, no Cine Roxy 5, em Santos. Às 20h30, acontecerá pocket-show com a banda Sonar no hall de entrada do cinema, ao lado do Cine Café. A apresentação é gratuita e aberta ao público. Depois, 22h, na sala 5, acontece a estreia do filme. A entrada também é gratuita, por ordem de chegada, com sala sujeita à lotação.

Após a estreia no Roxy, o filme ganha o circuito alternativo de cinema. Uma versão home vídeo, em DVD com extras, será lançada em junho.

Sem mais artigos