Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

Com narrativa quadrada, revela vida privada do gênio da física

A temporada de premiações de 2015 chegou para fazer justiça e celebrar nomes importantes da ciência e tecnologia. Dois longas sobre a vida de cientistas estão entre os principais indicados ao Oscar, O Jogo da Imitação, sobre o matemático Alan Turing e este A Teoria de Tudo, que mostra a vida do físico Stephen Hawking. Em comum, ambos se arriscam pouco na narrativa para trazer histórias bem contadas, mas de baixa complexidade artística.

LEIA MAIS
Livre traz narrativa calculada para jornada espiritual
Jogo da Imitação traz retrato comedido de personagem incrível
A crítica sagaz de Birdman
O Grande Hotel Budapeste, de Wes Anderson
Foxcatcher é retrato deprê de uma obsessão
O lado cru da Rússia em Leviatã

A imagem de como o físico inglês Stephen Hawking entrará para a história como uma das interpretações mais memoráveis do cinema. Mas a força de sua atuação está anos-luz de distância do acanhamento estético da direção de . Como um telefilme didático e quadrado, o filme falha em problematizar e avaliar a importância do personagem retratado. É um mal de todas as biografias: comprimir décadas de uma vida excepcional e cheia de reviravoltas em pouco mais de duas horas de projeção.

Com isso, apesar de um roteiro que prioriza o relacionamento de Hawking e sua mulher, Jane (, ótima), A Teoria de Tudo não consegue adentrar o suficiente dentro da mente de Hawking, o que vai criando certa distância do espectador para a história. Baseado no livro da ex-esposa do físico, Jane Wilde, o filme tem como maior objetivo mostrar o lado humano e cheio de superações de um dos maiores físicos teóricos desde Albert Einstein. O diretor consegue revelar uma personalidade que apenas fãs e pessoas mais próximas conheciam: um homem de bom humor, sagacidade e que sabe se divertir apesar da rara doença degenerativa que lhe tirou os movimentos do corpo e a fala.

Real e ficção: filme se destaca pela similaridade. (Divulgação).

Real e ficção: filme se destaca pela similaridade. (Divulgação).

É também um filme sobre Jane, mulher que precisou superar preconceitos e projeções pessimistas para viver um amor dado como natimorto por muitos. Teve três filhos com Hawking em um casamento cheio de privações, mas também ótimos momentos. Ela conheceu o físico em Cambridge, onde estudava literatura, quando ambos tinham apenas 21 anos. Seu apoio foi determinante para criar o ambiente favorável que fez o físico superar barreiras físicas e criar obras importantes como Uma Breve História do Tempo. Pelo retrato humano, frágil, mas também forte, que criou de Jane Wilde a atriz Felicity Jones recebeu sua primeira indicação ao Oscar.

Já Eddie Redmayne, também indicado ao Oscar, tem como maior mérito o uso de uma interpretação sem arroubos e feita sobretudo através de uma linguagem corporal cheia de detalhes. É uma encarnação quase assombrosa de alguém que todos conhecem bem e por isso ele tem feito uma devassa na maioria dos prêmios dessa temporada: venceu o SAG Awards e o Globo de Ouro, só para dizer alguns.

As descobertas científicas ocupam uma parte do filme, mas ficam em segundo plano no plano A do diretor em mostrar um lado privado de Hawking ainda pouco explorado. Pena que a narrativa tenha tornado o filme “fofo”, com uso de pequenos clichês dramáticos e quase nenhuma surpresa. Uma cinebiografia de um gênio como Stephen Hawking talvez pudesse forçar mais as barreiras. Mas, Marsh preferiu não dar bola para variáveis. [Paulo Floro]

teoria de tudoA TEORIA DE TUDO
De James Marsh
[A Theory Of Everything, 2014 / Universal]

7,0

Sem mais artigos