Cristiano demorou 20 anos para expor sua primeira individual. (Foto: Clara Gouvêia/Divulgação).

Cristiano demorou 20 anos para expor sua primeira individual. (Foto: Clara Gouvêia/Divulgação).

Com inspiração pós-punk artista trabalha diversas técnicas e monta ateliê aberto ao público dentro da mostra

O artista plástico Cristiano Artur demorou cerca de 20 anos para mostrar sua produção ao público. Agora, um dos segredos mais bem guardados das artes plásticas em Pernambuco ganha o merecido holofote. Cristiano volta à cena com sua primeira mostra individual no espaço da Galeria Janete Costa, no Parque Dona Lindu, em Boa Viagem. Tudo se liga. Siga abre nesta quarta-feira(26), às 19h, com curadoria da jornalista e pesquisadora Olívia Mindêlo e produção audiovisual da Revista O Grito!. Fica aberta ao público até 1º de março de 2015, com entrada franca.

Além de ocupar os 1200 m² da galeria, Cristiano também montará seu ateliê no mezanino do espaço, onde fará uma residência artística durante o tempo da mostra. A intervenção do artista, feita através de consultoria com um dos engenheiros da galeria, simula o desabamento da escadaria com fissuras.

Cristiano Artur, que também é cabeleireiro, estudou com a pintora japonesa Kaho Saito na década de 1980, com quem aprendeu a técnica nanquim e descobriu o japonesismo – que até hoje leva para as suas criações.

A obra "A Calça", da série Blue Jeans. (Divulgação).

A obra “A Calça”, da série Blue Jeans: forte inspiração pós-punk. (Divulgação).

Quando jovem, a identificação com o movimento pós-punk lhe fez colocar a emoção e intuição como motor criativo e o levou a usar diferentes referências estéticas do movimento em suas obras. Também tem, como uma das suas principais influências, as vanguardas modernistas. Como já foi vitrinista, também é possível identificar, nas suas obras, influências da moda, com a presença de tecidos nas colagens.

Série Os insetos devoram tudo. Painel em óleo, colagem e desenho sobre lona. (Divulgação).

Série Os insetos devoram tudo. Painel em óleo, colagem e desenho sobre lona. (Divulgação).

A última exposição do artista aconteceu na Galeria Baobá, na Fundação Joaquim Nabuco, em 1991, com o artista Fernando Kherle.

A expo

No térreo da galeria, uma parede branca e outra completamente preta sustentam as séries Interferências e Óleo e Grafite, respectivamente, em uma tentativa de evidenciar as dualidades das obras de Cristiano Artur: ora esteticamente excessivas, ora enxutas. Nas colagens de Acúmulo, a abundância é clara, com cores fortes e maciças, materiais cortantes e palavras e imagens recortadas, capazes de traduzir o lado mais impulsivo e intuitivo do artista. Já Interferências, feita a óleo e grafite, demonstra mais racionalidade criativa.

As Artérias, aliás, batizam uma das séries do artista, que também estará no térreo da galeria. São óleos sobre tela que investigam a plasticidade do sangue e dos canais que o conduzem pelo corpo humano. No térreo, destaca-se o painel Solitude, da série Acúmulo, uma colagem que liga os vários tempos artísticos de Cristiano Artur por trazer referências visuais utilizadas por ele em décadas anteriores e nos anos mais recentes.

No mezanino da Galeria Janete Costa, o artista montará o seu ateliê, onde fará uma residência artística durante o tempo da mostra. Ainda no mezanino poderá ser conferida uma criação feita através de consultoria com um dos engenheiros da galeria, e que simula o desabamento da escadaria com fissuras em papelão, intitulada “Desabamento”, além da série Blue Jeans, primeiro trabalho que nasceu após a decisão de Cristiano de tirar as obras do ateliê para levá-las ao encontro do público.

A exposição Tudo se liga. Siga ficará na Galeria Janete Costa, no Parque Dona Lindu, Boa Viagem, Zona Sul do Recife. A abertura será no dia 26 de novembro, às 19h. A mostra fica em cartaz até o dia 1º de março. Entrada gratuita.

Foto: Clara Gouveia/Divulgação.

Multi-técnica: Expo tem colagens, pintura e instalação. (Foto: Clara Gouveia/Divulgação).

Sem mais artigos