A convite da Disney e da produtora Espaço Z, vimos Eternos em uma cabine de imprensa segura, com os presentes vacinados (mais de 73% da cidade de Porto Alegre está imunizada), todos portando máscaras e com distanciamento obrigatório. Aos poucos e com cuidado, as atividades e as resenhas retornam. A pandemia não acabou, mas, graças à ciência e ao SUS, a vida segue. Para ver esse filme ou qualquer outro, só vá ao cinema que exigir passaporte vacinal e que mantenha os cuidados básicos de distanciamento e uso de máscara.

Aviso feito, ora de falar da nova produção da Marvel pelas mãos da Diretora Chloé Zhao.

Poster oficial do artista Salvador Aguiano (@Hiperactivo)

Eternos dá sequência à fase 4 do MCU (Marvel Cinematic Universe), apresentando uma nova safra de heróis do universo que têm o desafio de manter o interesse da audiência e ainda expandir as histórias rumo às novas sagas espaciais da Marvel.

Assim como aconteceu com os Guardiões da Galáxia (2014), os Eternos são um grupo basicamente desconhecido do grande público. Os novos personagens do cinema são velhos personagens dos quadrinhos, uma mistura de super-heróis com ficção científica criada pelo mestre Jack Kirby, o célebre artista e parceiro de Stan Lee nos primórdios da Marvel Comics, em 1976.

Eternos, de Jack Kirby no traço de John Romita Jr.

Na trama, um grupo de super-heróis chegou à Terra nos primórdios da civilização conhecida, enviados com o propósito de proteger a humanidade dos terríveis monstros chamados de Deviantes.

Ao defenderem os humanos com poderes e tecnologia alienígena, os Eternos foram adorados como Deuses e Deusas. Sua tecnologia e suas aventuras se transformaram em nossa mitologia através da narrativa das civilizações antigas, que foram aos poucos moldadas e influenciadas por eles. Apesar da boa influência, sua missão era defender a humanidade dos Deviantes e não dos conflitos que a própria humanidade se impôs.

Após a extinção dos Deviantes em algum ponto da história, os Eternos viveram suas vidas paralelamente aos grandes conflitos da Terra e seguiram na linha do tempo humano, incógnitos, aguardando o momento de retornarem ao seu planeta de origem quando sua missão chegasse ao fim.

O grupo de Eternos é formado por Angelina Jolie (Thena), Salma Hayek (Ajak), Gemma Chan (Sersi), Richard Madden (Ikaris), Don Lee (Gilgamesh), Lia McHugh (Sprite), Kumail Nanjiani (Kingo), Lauren Ridloff (Makkari), Barry Keoghan (Druig) e Brian Tyree Henry (Phastos). Cada um conta com dons especiais para defender a humanidade.

Não podemos esquecer do ator Kit Harrigton, famoso por seu papel de Jon Snow em Game of Thrones – e por ter andado de ônibus no Rio durante suas férias na cidade – que já sabemos é Dane Whitman, o Cavaleiro Negro, outro personagem que marca a fase 4 do MCU.

A narradora da trama é Sersi, porém com bom tempo de tela para cada herói. Apesar de muitos atores em cena, as atuações são boas. Um conjunto excepcional de ação e efeitos especiais competentes são destaque do filme: repare nas cenas de batalha, principalmente com Makkari.

Sem Spoilers, vale dizer que são poucas as passagens do filme que relembram os filmes anteriores do MCU. Nada mais justo se o objetivo é seguir em frente: hora de abandonar Tony Stark, Steve Rogers e cia.

A direção tem mais acertos do que erros. Poderia ter uma montagem um pouco mais enxuta, o que daria mais agilidade ao filme e consumiria menos tempo da plateia. Por outro lado, Chloé Zhao soube contar bem uma história com muitos personagens, o que não é fácil. Também usou diferentes passagens de tempo e geografia, um recurso que funcionou perfeitamente, tanto para levar a trama como para deixar explícitas as motivações de cada um dos Eternos.

Nosso veredito é que vale conferir esse filme bem contado e que equilibra aventura com um visual incrível. Eternos poderia ser mais curto, mas ainda assim é um bom recomeço para o MCU.

O que virá daqui por diante não sabemos, mas há pistas.

A ficção científica está em alta e parece ser a bola da vez. A confiança redobrada na ciência (apesar do negacionismo de pequenos grupos), a corrida espacial privada e numerosos bons filmes e séries de ficção científica parecem estar alcançando um público maior, fora dos grupos nerds iniciados.

Tudo isso pode ajudar a divulgar Eternos, uma mistura de super-heróis, ficção científica e mitologia. A retomada gradual da ida ao cinema, também. Estamos na torcida pelo fim da idiocracia, por saúde plena para o mundo todo e por grandes filmes nesta nova fase do MCU.

Em tempo: é um filme da Marvel, portanto só vale ir embora depois da cena pós-crédito.