Revista O Grito!

Papo de Quadrinho — O Grito! Blogs – Quadrinhos

Tag: comics

Undiscovered Country: um país incógnito

Por Júlio Black

Uma das coisas que mais gosto na dobradinha ficção-científica+distopias é que elas aceitam (quase) tudo. Se você souber contar uma boa história, ter começo e meio e fim, bons personagens, roteiro amarradinho, premissa interessante, não ofender a inteligência do público, dá para colocar comida feita a partir de petróleo, viajar mais rápido que a luz, ter macacos falantes ou entrar numa cabine telefônica e ir parar no futuro distante.

Pois foi com esses paranauês na cachola que resolvi embarcar na leitura de “Undiscovered Country”, uma das novas séries mensais da Image Comics que fechou seu primeiro arco neste distópico 2020.

O projeto saiu das cabeças alucinadas de Scott Snyder (“Batman”, “Vampiro Americano”) e Charles Soule (“Demolidor”, “Darth Vader”), que chamaram para a empreitada o desenhista Giuseppe Camuncoli (“Darth Vader”), Daniele Orlandini para a arte-final e Matt Wilson para cuidar das cores. A série teve a primeira edição publicada pela Image em novembro de 2019, e o primeiro arco (seis edições) chegou ao fim em julho.

A história se passa em um futuro não tão distante, onde o mundo tem encarado algumas tretas de responsa, e um dos principais pagadores do pato são os Estados Unidos da América.

Depois de uma série de eventos que já antecipavam que tinha caroço naquela polenta (tipo construir uma gigantesca muralha com armamento pesado em volta de sua costa e das fronteiras terrestres), a Os EUA decide fechar as fronteiras para o mundo em 2029. É um esquema quem tá fora não entra, quem tá dentro não sai: todo o comércio e comunicações são suspensos, tratados são cancelados, isolamento oficial e adeus mundo.

Eles são melhores com muros do que com pontes

E assim passam-se três décadas, em que ninguém tem a menor ideia do que acontece no interior das fronteiras norte-americanas. Como resultado, o resto do mundo seguiu em frente e hoje está dividido em dois blocos políticos e econômicos antagônicos; para piorar, a humanidade corre o risco de ser varrida do mapa em poucos meses por causa de um novo vírus, Covid-20 o Céu, que mata rápido e não tem cura.

É nesse contexto de “o bicho tá pegando” que os Estados Unidos entram em contato com o resto do planeta pela primeira vez em décadas, oferecendo uma cura para o vírus Céu. Para isso, eles permitem que um grupo heterogêneo de pessoas escolhidas por eles (dois diplomatas, um pesquisador nerd que conhece tudo dos EUA, um militar, uma jornalista e um casal de irmãos – ele mercenário, ela epidemiologista) adentre o território norte-americano pela primeira vez desde 2029.

“Undiscoverd Country” não perde tempo e mostra no ato da matrícula o que aconteceu com os Estados Unidos nesses 30 anos. O helicóptero que transportava o grupo é derrubado logo nas primeiras páginas e nossos aventureiros ficam perdidos no meio de um deserto. Assim, eles descobrem que os Estados Unidos, na verdade, não existem mais. O que há pode ser definido como uma terra de ninguém dividida em facções e habitadas por criaturas mutantes (peixes e tubarões gigantes que andam na terra!) e veículos no estilo o-mundo-acabou-e-juntamos-essas-peças-pra-ver-no-que-dava com referências óbvias de “Mad Max” e “Máquinas Mortais”.

Não vamos entregar mais do que já foi entregue, mas podemos adiantar ainda que os sete “visitantes” são considerados a chave que dará o poder para um grupo ou, na visão da outra facção, fará com que a América do Norte volte a se unir e recuperar sua glória. Caberá a eles decidir se devem – ou não – se aliar a algum dos lados numa boa história que mistura aventura, suspense, violência, teoria da relatividade, drama, segredos, traições, reviravoltas, ação e (porque será?) um cadinho de pessimismo em relação ao nosso futuro não tão distante.

Ah, como no mundo real as barreiras vão sendo ceifadas pela tecnologia, o primeiro arco de “Undiscovered Country” já pode ser adquirido – em inglês – no seu site de compras on-line favorito, como Kindle Unlimited e comiXology.

Podcast do Papo de Quadrinho chega no 9º episódio

Em Mundo dos Quadrinhos Pós-Corona vírus, nossos editores e diversos convidados vão debater como fica o mercado dos quadrinhos depois da Pandemia.

Para debater em um misto de analise histórica, futurologia, dúvidas e esperanças, este 9º episódio tem os representantes do Papo de Quadrinho: o jornalista Dyeison Martins – nosso host – e nossos editores Jota Silvestre e Társis Salvatore.

Nossos convidados são os queridos Érico Assis e a quadrinhista Germana Viana. Teremos também diversas participações especiais de outros produtores e artistas como Helô D’Angelo (artista), Victor Lima (especialista em mangás) e Guilherme Kroll (editor). A edição deste episódio é do Rodrigo McFly do Almanaque 21.

Basta acessar pelo Anchor ou pelo Spotify.

Você pode enviar seus comentários para nosso email: papodequadrinho@gmail.com. Sigam a gente nas redes sociais: twitter e instagram @papodequadrinho

Papo de Quadrinho visitou: Forbidden Planet UK

Imagine um lugar onde é possível encontrar action-figures e afins de todas as franquias famosas da cultura pop, com ênfase nas novidades, mas sem esquecer os clássicos. Imagine que, nesse mesmo lugar, é possível encontrar quadrinhos, mangás e livros de todos os tipos, de todas as editoras, desde os mainstream até os  independentes (incluindo alguns brasileiros). Por fim, nesse mesmo (grande) espaço, encontramos acessórios, estatuetas, brinquedos, merchandising de games, de animações, de séries, camisetas (acompanhe nosso vídeo acima, com mais detalhes mostrando a loja).

Sim, queridos leitores, esse lugar mágico existe. Ele se chama Forbidden Planet, uma loja dos sonhos para qualquer nerd e demais amantes de cultura pop.

FPI

O verdadeiro templo da perdição

Fundada em 1975, a loja está localizada numa grande área – térreo e subsolo – em 179 Shaftesbury Ave, próximo ao metrô Tottenham Court Road Station, na região central de Londres. Para se ter uma ideia do poderio, a rede Forbidden Planet possui dezesseis lojas espalhadas pelo Reino Unido e uma nos Estados Unidos.

Embora o Brasil tenha boas lojas de quadrinhos e o mercado venha crescendo nos últimos anos, não é exagero dizer que nada se compara à Forbidden Planet.

Passado o choque de descobrir uma loja com essa magnitude, trocamos o desejo de comprar TUDO o que havia ali por esse breve registro do que mais nos chamou a atenção.

De cara, temos que destacar que a loja aproveita as febres do momento, e nada por aqui chama mais atenção do que Star Wars (vídeo). No primeiro andar, área dos action figures, há vitrines enormes com a franquia.

Entre os modelos, a febre são os Pop Vynil da Funko, que estão em todas as outras lojas, mas, aqui, ganham destaque. Há, claro, outras figuras de ação bacanas…

Clássicos como esse podem ser econtrados

Clássicos como esse podem ser econtrados

Bem como figuras de ação mais novas

Figuras de ação mais novas, baseadas em filmes

joker

Releituras do passado como essa de ‘Bátima e a Feira da Fruta’

Figuras de heróis que estão bombando nos quadrinhos atualmente

Figuras com os heróis  e heroínas que estão bombando nos quadrinhos agora

E outros brinquedos e camisetas também, tudo ambientado em um cenário adequado e que evoca o que há de melhor na cultura pop, sobretudo na ficção científica. São as mais variadas franquias das séries de TV, cinema e quadrinhos. 

V

Kit revolução, criado na Inglaterra e exportado para o mundo todo

Essa nave ENORME fica na entrada para o andar dos quadrinhos e livros

Essa nave linda é ENORME (arrisco dizer uns 3 metros) e fica na entrada para o subsolo.

No subsolo fica a área de quadrinhos. É possível se perder lá entro. Ampla e repleta de objetos do desejo, vale destacar as vitrines especiais de quadrinhos, livros e afins para todos os gostos, divididas por gêneros: infantil, adulto, adolescente, independentes, autores, mangás etc. Há vitrines especiais para alguns gêneros como steampunk, clássicos, sci-fi e RPG, entre outros.

Ao contrário da Nostalgia & Comics, a loja não tem uma área específica de HQs antigas, dando ênfase aos lançamentos e graphic novels. E vale lembrar que para os ingleses, graphic novel é um eufemismo para gibis encadernados. E aqui tudo que é lançado em revistas avulsas (com 22 páginas e capa simples), será encadernado posteriormente em arcos fechados.

independents

Tem muita HQ independentes!

Manga

Área de mangá é bem servida, com trabalhos atuais e clássicos

Uma área destacando autores famosos em coleções especiais

Uma área destacando autores famosos e suas coleções especiais

Tem brasileiro em destaque

Tem brasileiro em destaque, sim!

Para quem tem curiosidade sobre questões de gênero, no momento em que essa discussão está tão em voga no Brasil, vale destacar que a maioria dos atendentes da área de quadrinhos é de mulheres que entendem do riscado.

O prédio tem amplo acesso tranquilo para cadeirantes e só não é mais espaçoso porque a loja abarrota nos finais de semana de gente das mais diferentes nacionalidades.

Acesso especial para leitores especiais

Acesso especial para leitores especiais

Encerramos o passeio com uma sensação óbvia de incompletude, levando poucos produtos e chorando lágrimas de sangue pelo que não deu para comprar ou levar. Além da histórica falta de grana, há o problema de transportar tudo para o Brasil, ou seja, ficamos babando mas comprar mesmo…

Os preços dos produtos são semelhantes aos de outras lojas do gênero, com algumas promoções e, claro, um pouco maiores nas action figures que são lançamento.

Para os padrões locais, os valores são acessíveis até para quem não é tão abonado, bem diferente do Brasil. Mas se uma ilha pode ter tanto público consumidor e um lugar tão bacana, quem sabe um dia um país de proporções continentais como o nosso não chega lá?

Fica nossa reflexão e mais uma dica de lugar obrigatório para se visitar quando estiver em viagem pelo Reino Unido.

Papo de Quadrinho é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2020