logo_papodequadrinho_2011

No dia 11 de novembro de 2008 foi publicado o primeiro “post-piloto” no blog. O layout ainda precisava de ajustes e algumas definições. Três dias depois, o Papo de Quadrinho foi colocado no ar e anunciado ao mercado.

Aquela primeira postagem falava de uma banca de jornais na Vila Mariana que o dono mandou decorar com uma ilustração da Liga da Justiça no estilo do artista Alex Ross.

Cinco anos depois, a banca continua lá. Mudou de dono e a bonita decoração foi coberta por tinta cinza.

O Papo de Quadrinho foi criado pelos jornalistas Jota Silvestre e Társis Salvatore – ambos colaboradores da revista Mundo dos Super-Heróis e, mais tarde, da Mundo Nerd – para dar vazão à sua vontade de falar de quadrinhos e outras nerdices.

Apesar da redação muitas vezes informal e das muitas opiniões emitidas, o blog desde o início seguiu a proposta de manter o rigor jornalístico, com apuração precisa das informações e seriedade no trato com o leitor.

No dia 23 de maio de 2011, atendendo o convite do jornalista Paulo Floro, Papo de Quadrinho passou a fazer parte dos blogs associados da revista eletrônica O Grito.

A parceria representou um salto de qualidade: não só deu uma aparência mais profissional ao blog (a atual), como também aumentou sua visibilidade e audiência.

Até hoje, foram postadas 1.482 notícias, resenhas e entrevistas.

Em dezembro de 2012, Papo de Quadrinho promoveu um amplo debate com editores, autores e jornalistas sobre o projeto de lei que obrigava editoras a publicar uma cota de quadrinhos nacionais. O impacto foi tão grande que o assunto virou um debate presencial na edição seguinte do prêmio Angelo Agostini.

Nesta semana de aniversário do blog, a postagem sobre o vandalismo praticado contra a intervenção urbana Monica Parade recebeu, em três dias, quase 43 mil visualizações, um recorde histórico.

Em nome de seus editores, o Papo de Quadrinho agradece a todos os leitores que acompanharam esta trajetória de cinco anos. Seu interesse, críticas e comentários são o que nos motivam a continuar o trabalho.