Revista O Grito!

Papo de Quadrinho — O Grito! Blogs – Quadrinhos

Antes de Watchmen: Comediante – Uma HQ muito sem graça

capas

O Comediante é um dos personagens mais interessantes das HQs. Violento, cínico e complexo, sua morte na série original Watchmen marca o início de uma trajetória que vai mudar os rumos da humanidade.

Imaginar as armadilhas emocionais e as motivações de Edward Blake, o alter-ego do Comediante, um vingador arrebatador e questionável, que se torna um agente governamental norte-americano pronto para sujar as mãos em qualquer situação, deveria ser um ponto alto para Antes de Watchmen: Comediante, uma oportunidade de gerar um caça-níquel de muita qualidade. A expectativa era das melhores porque o roteirista Brian Azarello já havia feito trabalho interessante com outro personagem da série: Rorschach.

Infelizmente para os leitores e fãs de Watchmen, Azarello errou a mão e escreveu a pior história de Antes de Watchmen lançada até agora no Brasil (leia aqui as resenhas de Coruja, Espectral , Rorschach e Dr. Manhattan).

A trama de Comediante se passa a partir dos anos 1960, contando alguns detalhes do que já conhecidos em flashbacks na série original. Seu envolvimento com a família Kennedy, suas participações nos enfrentamentos em crises internas nos Estados Unidos e a brutalidade de sua participação no Vietnan.

Poucas novidades e nada que cativasse o leitor ou entregasse um pouco mais das razões já conhecidas que fizeram de Blake um personagem tão intenso. Tudo morno e as vezes óbvio.

A arte de J.G. Jones também deixa a desejar. Com exceção do bom trabalho de colorização é apenas sofrível.

A única nota positiva: as belas opções de capa utilizadas na versão nacional e a continuidade à história paralela A Condenação do Corsário Carmesin, que dá uma surra de qualidade na história principal.

O Papo de Quadrinho tem o hábito de não resenhar gibis que considera tão ruins. No caso de Antes de Watchmen: Comediante, o dever de ofício nos obrigou a ler e sofrer com essa decepção em quadrinhos.

Um bom resumo: a história falha em desmistificar a personalidade de Blake, falha em apresentar as motivações do Comediante, e a arte falha em contar uma boa história. Ou seja, o Comediante não teve a menor graça. Mas se você vai comprar essa HQ para não faltar um número de sua coleção, agora sim temos motivo para rir…

Comentários

Anteriores

Figurines da DC chegam a São Paulo no dia 9

Próximo

Crítica: Agents of S.H.I.E.L.D. Episódio 2: “0-8-4”

  1. Sadismo, a gente vê por aqui. :-)

  2. Antonio Gomes Ferreira Filho

    Já li Coruja e Rorschach, a menos ruim na minha opinião foi a do Coruja, Espectral eu desisti antes da metade, sinceramente esperava mais destes quadrinhos, não jogo eles fora por pena do meu dinheiro.

  3. Os fanfics mais caros do mundo!

  4. Marcelo

    Caramba.. tem tanta gente criticando de forma negativa, eu to gostando dessa serie, e eu tinha parado de ler quadrinho faz um tempo pq ja naum tinha mais saco pras revistas mensais (de vez em quando eu comprava um Wolverine e já era).. agora essa eu já acho que tah legal.. estou gostando das abordagens que os roteristas estão fazendo em cima dos personagens…
    Claro que o original do Moore é único e bla bla bla que nem um monte de gente comentou aqui.. po.. se for por assim enterra logo todos os quadrinhos e fiquemos no saudosismo da década de 80 que acabou faz umas par de anos.. como de depois que o Miller fez o Cavaleiro das Trevas fosse proibido escrever algo sobre o Batman e assim por diante.. da uma chance pros caras.. sei lá.. acho que tah rolando um moralismo barato em relação ao novo.. sei la…só minha opinião

    • Marcelão, veja as outras resenhas ali no post e tu vai quer que eu e o Jota estamos dando chance à Antes de Watchmen
      Tu vai perceber que nós estamos muito longe de sermos puramente saudosistas. Abs!

  5. keller Nonato

    Pensei que fosse só eu. É a pior da série. Muito fraca.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Papo de Quadrinho é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2021