Revista O Grito!

Papo de Quadrinho — O Grito! Blogs – Quadrinhos

Antes de Watchmen: Coruja – Uma boa HQ desnecessária

AWCoruja

Muito já se falou sobre Watchmen, de Alan Moore e Dave Gibbons. A HQ é considerada uma das pedras angulares dos quadrinhos de super-heróis da era moderna e suas tramas adultas, complexas, ambíguas. Já virou tema de teses acadêmicas e livros, ganhou adaptação para o cinema e entrou na lista dos 100 melhores livros de todos os tempos do New York Times.

Watchmen abrange pelo menos três gerações de justiceiros mascarados: os Minutemen do início do século 20, seus sucessores dos anos 1960 e a trama principal em plena Guerra Fria. É uma obra completa; dispensa prólogos ou sequências.

Quando a DC anunciou no início de 2012 que lançaria uma série de quadrinhos com histórias ambientadas no período anterior à original, ficou evidente que se tratava de um caça-níqueis, uma forma de capitalizar um pouco mais em cima de um de seus maiores sucessos editoriais.

Nos Estados Unidos, Antes de Watchmen (Before Watchmen) foi lançado como um conjunto de minisséries estreladas pelos personagens principais: Minutemen, Coruja, Espectral, Dr. Manhattan, Rorschach, Comediante e Ozymandias. Mais tarde, ganhou adicionais: Moloch e Dollar Bill.

Este material começa a chegar ao Brasil a partir deste mês pela Panini, em encadernados mensais com 108 páginas e preço de R$ 12,90. O primeiro volume é Coruja, escrito por J. Michael Straczynski e desenhado por Andy e Joe Kubert.

Tomando este como base, dá para notar que a história tem a preocupação de detalhar passagens sobre o passado do personagem que em Watchmen são insinuadas ou citadas em flashbacks. O efeito que isso provoca é o mesmo de uma piada que precisa ser explicada e, aí, perde a graça.

Watchmen, repito, é uma obra completa; portanto, Antes de Watchmen é uma obra desnecessária. O que não significa que seja ruim. Explico:

Não deixa de ser interessante ao fã do original ter a oportunidade de revisitar a origem e a motivação por trás do Coruja (Daniel Dreiberg). Em Watchmen, ele é um homem frustrado, derrotado por si mesmo ao ceder à lei que extinguiu toda a atividade heroica. É prazeroso acompanhar, na nova série, sua fase gloriosa: as primeiras aventuras nas ruas, as investigações, lutas e o começo da parceria com o instável Rorschach.

Antes de Watchmen carrega uma curiosa contradição. Sem Watchmen, não teria razão para existir. Quando flerta com a história original, evidencia o quanto é desnecessária; quando se afasta dela e se concentra em contar uma história inédita, demonstra algumas qualidades.

Não é uma obra-prima, longe disso, mas garante algumas horas de diversão. Se Antes de Watchmen for totalmente ignorada pelo leitor, Watchmen continua mantendo sua importância. Ao mesmo tempo, sua existência não macula em nada o original como alguns fãs mais exaltados criticam.

Resumindo, é uma boa HQ desnecessária.

Comentários

Previous

Vale o investimento: O Maravilhoso Mágico de Oz

Next

Exclusivo: Figurines da DC começam a chegar a mercados-testes

13 Comments

  1. silas.

    Sei lá… Só tenho mesmo é receio de adquirir e detestar (Pois, a respeito das questões envolvendo Moore e a DC e a falta de necessidade de novos enredos, eu entendo que o clássico jamais será atingido por nenhuma bobagem que venha da série “Antes”).

    Vou ver se eu arranjo um jeito de ler ou passar a vista… pedindo a alguns do meus amigos fãs de histórias em quadrinhos. Quem sabe algum deles já comprou… Depois disso, talvez, eu comece a colecionar. [[“Somente” uma questão de valorizar prioridades e meu suor]]

    Bom texto!

    • Obrigado, Silas.

      Faz muito bem em valorizar seu dinheiro. Se conseguir ler emprestado de alguém, faça isso! Como eu disse, não é nenhuma obra-prima, mas tenho a impressão de que você vai querer colecionar.

      Abraço

  2. Oi Jota…

    Estava esperando sua avaliação, pois ao ouvir opiniões por aí tive a impressão de uma certa repugnância desmedida pela obra por muitos, antes mesmo de necessariamente terem lido.

    Entendo sua opinião e eu já quase que esperava que seria essa. Digo isso porque comparo “Antes de Watchmen” à seqüência de “2011 – Uma Odisséia no Espaco”.

    “2010 – O Ano em que Faremos Contato” não rivaliza em estatura e beleza com seu antecessor, porém nem mesmo por isso deixa de ser um filme bom. Apenas não deve ser comparado a “2001…”.

    Em geral quando uma seqüência tenta as mesmas soluções e desfechos do original quase sempre se dá mal. Estava pensando se deveria ou não comprar essa serie. Provavelmente comprarei porque de alguma maneira deve haver ali alguns momentos de afastamento da obra original.

    Abc. Jota!

    Marcelo.

    • Obrigado pelo comentário e pela confiança, Marcelo.

      No caso de Antes de Watchmen, não tem como não comparar. Em alguns momentos, o prequel toma emprestado alguma cena do original de forma quase literal. É nessas horas que soa desnecessário. Mas quando a história se assume como algo novo, aí sim fica bacana. Sinceramente, recomendo colecionar.

      Grande abraço

  3. marlon magno

    acabei de ler o número 1. detestei. a estória, aliás, tem vários furos de continuidade muito, muito bizarros [rorschach, por exemplo, só matou alguém quando a lei keene entrou em vigor]. ao roteiro é fraco demais [por exemplo: rorschach simplesmente aparece pra ser parceiro do coruja e ele aceita? ok] e a arte-final do joe kubert nunca foi lá essas coisas. nada na arte e nas cores lembra ou presta algum tributo à série original e a necessidade patética de amarrar elementos do universo de watchmen são, como o autor da resenha diz, absolutamente desnecessários, como tentar explicar a piada [a estória da foto, do cartaz, e outras coisas relacionadas aos dois personagens não precisam de uma razão de ser]. sinceramente, ‘antes de watchmen’ só vai vender por puro atavismo mesmo.

  4. Confesso que foi prazeroso ler esse prequel.
    Boa história, arte bonita e não deixou de ser uma forma interessante de revisitar esses personagens tão queridos.
    É um caça-níquel, mas com qualidade.

    Abs!

  5. Não tenho coragem… talvez folheie em alguma ida a livraria cultura.

  6. Filipe santos

    Vou comprar , depois vejo se são boas ou não, mas acho difícil personagens tão bons serem destruídos ….é uma responsabilidade grande demais pra fazerem merda.

  7. will.

    Já comprei o do Coruja, a HQ é muito boa, li como se visse um filme, prende muito a atenção a historia.

  8. Gatts

    Acho que está sendo mente fechada, é como um filler de um anime, é claro que não é tão boa quanto a história original mas
    é um bom trabalho, acho que você está é com o toim dando o bote.

  9. Ué, Gatts, mas eu falei que a HQ é boa! Só desnecessária; ou seja, não acrescenta nada ao cânone.

    Procure aqui no blog as resenhas de Espectral e Dr. Manhattan e verá que gostei dessas ainda mais.

    Abs

Deixe uma resposta

Papo de Quadrinho é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2020