Revista O Grito!

Jazz Metal — Por Paulo Floro

Categoria: Mercado HQ (Página 2 de 3)

Barricada, novo selo de HQs brasileiro vai publicar obras nacionais e estrangeiras

barricada

A editora vai lançar em julho um novo selo de quadrinhos. O vai publicar obras nacionais e estrangeiras e já teve o primeiro título anunciado. Será Último Aviso, da alemã .

Na obra, a alemã retrata em traços irônicos a realidade política e cultural do seu país. Em agosto, o selo lança Cânone gráfico, antologia organizada pelo escritor Russ Kick com clássicos da literatura universal, como As Viagens de Gulliver e a Divina Comédia.

Ainda estão previstos lançamentos nacionais. Em outubro sai CLAUN – A dos bate-bolas, projeto do roteirista Felipe Bragança sobre fábulas urbanas cariocas que mistura mitologia e cultura afro. As informações foram publicadas pelo jornal Folha de S. Paulo e confirmado por email pela Boitempo.

Quadrinistas franceses ameaçam fazer greve por melhores condições de trabalho

RAAP_Maester_001
Charge de Maëster: “É para o seu próprio bem…”.

Ótima matéria do UniversoHQ falando sobre a ameaça de greve dos autores de quadrinhos na . Os quadrinistas de lá reclamam das condições de trabalho, baixos salários e da nova obrigação de pagarem 8% de suas rendas para financiar sua pensão complementar obrigatória, a RAAP – Régime de retraite complémentaire des artistes et auteurs professionnels (Pensão suplementar de artistas e autores profissionais). A ministra da cultura da França, Aurélie Filippetti, recebeu uma carta aberta, assinada por 748 autores, com reclamações sobre a atual situação da classe.

Destaco três pontos:

– Qualquer reforma precisaria considerar o fato de que metade dos autores de quadrinhos não recebem nem mesmo o salário mínimo – na França ele é de 1.445,38 euros por mês, ou 9,53 euros por hora de trabalho. Na Bélgica, os valores variam dependendo da idade do trabalhador e do seu tempo de serviço, mas estão situados na faixa de 1.500,82 euros a 1.559,38 euros por mês.

– Num país onde o desemprego está crescendo, os autores de quadrinhos não apenas criam seus próprios empregos, mas são responsáveis por centenas de outros.

– Em termos econômicos, a indústria do entretenimento é a quarta mais rentável da França. Sem mencionar a vitrine que representa para o público estrangeiro. O mercado livreiro – como um todo – emprega aproximadamente 80 mil pessoas e gera uma receita de 5,6 bilhões de euros (na França). Nós, os autores, somos a origem dessa riqueza.

É incrível o tamanho do mercado de quadrinhos na França a ponto de um protesto como esse chamar atenção. Lembrando que por lá, as HQs (ou bande dessinées, como chamam) são populares em diferentes públicos, como deveriam ser todas as artes.

Entre os artistas que assinaram a carta estão nomes importantes dos quadrinhos atuais, como , , , e .

Conheça a Qomics, a nova plataforma de quadrinhos digitais brasileira

Capa Mandacaru Vermelho-1

Uma nova iniciativa em quadrinhos online acaba de estrear no Brasil. A é a nova plataforma de HQs digitais com o objetivo de apresentar trabalhos autorais.

Leia Mais
Alan Moore anuncia plataforma online de quadrinhos em código aberto

O site foi criado no Ceará por Rafael Dantas, Raul Peixoto, Tereza Machado, Leandro Santos e Marlon Raphael. O projeto também conta com o apoio de Daniel Brandão, quadrinista e professor de desenho e Allan Goldman, desenhista de vários projetos da como Superman. A Qomics iniciará seu empreendimento com suporte para quatro idiomas, apresentando seus produtos em português, inglês, espanhol e francês.

Na estreia, o destaque é Mandacaru Vermelho, criado por Rafael Dantas, com cores de Patrick Gama, que conta a história de um ex-tenente do exército brasileiro, reformado após a perda de parte da visão do olho direito e de problemas no coração, que fez parte da Coluna Prestes. Responsável por caçar os cangaceiros no nordeste brasileiro, ele bate de frente com a ira de um temido coronel do sertão.

As outras HQs que chegam ao catálogo em breve são Comando 5 de Allan Goldman e Cariawara de Daniel Brandão. Mais informações no site.

Pílula 1

Mercado HQ: O fim da revista Vertigo pode ser algo a se comemorar

Vertigo51

Interessante o modo como a Panini vem tratando a publicação dos títulos Marvel e DC no Brasil. Depois de muita reclamação de colecionadores, a editora vem empreendendo mudanças para publicar a maior parte do material que sai nos EUA. Muitas revistas vem sendo canceladas nos últimos meses, mas ao contrário do que já aconteceu no passado, isso não é algo totalmente ruim.

É que não é possível tratar uma revista de forte apelo popular como Homem-Aranha ou X-Men do mesmo jeito que séries como Escalpo (publicada em ) ou Homem-Animal (em ). As duas revistas foram recentemente canceladas por aqui. A primeira trazia histórias do selo adulto da (casa de Batman, Superman, etc), enquanto a segunda reunia títulos dos personagens sombrios da reformulação conhecida como Novos 52, como Monstro do Pântano e Liga da Justiça Dark.

A editora se pronunciou nesta quinta (10) sobre o fim de Vertigo. “Como você já deve saber, a Vertigo mensal vai ser cancelada. É a única mudança na linha Vertigo no momento, os encadernados seguem firmes e fortes, nada mais está programado para mudar e não há nenhuma ameaça de cancelamento generalizado”, diz o texto. “A última edição chega às bancas na próxima semana. Se você é um dos leitores da revista, meu MUITO OBRIGADO. Valeu pela sua companhia até aqui!”

Como a Panini não divulga números de tiragem ou vendas, é possível imaginar que a Vertigo não vendia bem. A editora chegou a experimentar um esquema de assinaturas, que foi encerrado ainda no ano passado. Mas, dentro do tamanho do mercado nacional de quadrinhos – o que significa um sucesso? As mudanças feitas pela Panini, talvez, estejam mais próximas da real demanda do leitor que curte HQs mais adultas ou longe do universo habitual e saturado dos super-heróis. Os encadernados atendem a isso.

Já acompanhei diversas revistas por causa de um único título – e não há nada mais irritante do que isso. É o ônus que nós brasileiros sempre pagamos desde que a Marvel e DC ficaram populares por aqui. Os “mixes” foram parte do mercado e sempre serão. Como já disseram editores da Abril e da Panini, esse modelo ajuda a baratear custos e a cobrir o grande volume de material estrangeiro. Muita, mas muita coisa mesmo é puro lixo. Outras, valem a pena acompanhar. E algumas, simplesmente destoam do todo. É o caso de Gavião Arqueiro, que sai atualmente na revista de Capitão América & Gavião Arqueiro. Era o caso de Alias, na época de Marvel MAX, ou Os Surpreendentes X-Men, de Joss Whedom, em X-Men Extra, entre muitos outros exemplos.

Vertigo, que acaba de ser cancelada, era um caso à parte. A revista apresentava trabalhos pouco conhecidos do selo que seriam difíceis de saírem de outra forma. Casa dos Mistérios foi um desses casos. Não era um material maravilhoso, mas também não era ruim. Quem é fã do universo de Sandman, merecia ter acesso a ele para tomar suas conclusões. Ainda tínhamos Escalpo, que era a base de sustentação da revista por anos, e um dos melhores quadrinhos da Vertigo em anos. Merecia sair em formato livro ou encadernados? Com certeza. Mas, por causa dela, muitos que leitores da série tomaram conhecimentos de HQs interessantes, como Vampiro Americano, de Scott Snyder e Rafael Albuquerque, O Homem do Espaço, de Eduardo Risso, e diversas minisséries.

Os títulos de Dark e Vertigo agora sairão em encadernados especiais. Ganharão o tratamento semelhante às séries Y – O Último Homem, O Inescrito, entre outras. Ou seja, quadrinhos que não se interligam como complicado universo de super-seres e que possuem uma vida própria, com forte teor autoral. Talvez por isso, a Panini decidiu lançar a elogiada série de Demolidor, de Mark Waid, em vez de “escondê-la” em algum mix cheio de coisas bem medianas. A editora, enfim, está valorizando mais o material que tem em mãos.

Nós, colecionadores e leitores, servimos de laboratório todos esses anos para que chegássemos a esse bom momento do mercado editorial. Ainda não está perfeito, mas talvez seja hora de comemorar um pouco.

Leia Mais
Mercado HQ: Edição definitiva de Os Livros da Magia e mais mudanças na DC no Brasil

Saga, sucesso de Brian K. Vaughn, sairá no Brasil pela Devir

saga

Ótima notícia: vai ser lançado no Brasil a HQ , de Brian K. Vaughn e Fiona Stapples. Os dois primeiros volumes estão na lista de dez álbuns mais vendidos nos EUA em 2013.

Saga – Volume Um sairá pela Devir. A editora informou por email que o livro está em fase de orçamento com as gráficas. Ainda não há previsão de chegada em livrarias.

A obra conta a história de um casal de raças diferentes que desafia os conflitos entre raças para constituir família.

Página 2 de 3

Jazz Metal é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2020