Revista O Grito!

Jazz Metal — Por Paulo Floro

Categoria: Eventos (Página 1 de 2)

Algumas notas sobre o Jornadas Internacionais de Quadrinhos da USP

  • Entre os últimos dias 22 e 24 de agosto rolou em São Paulo (na Escola de Comunicação e Artes – ECA USP), as 5ªs Jornadas Internacionais das Histórias em Quadrinhos. O evento já é o maior da América Latina e reafirmou ainda mais a sua relevância acadêmica pois passou a ser realizado de maneira anual a partir desta edição de 2018. 
  • Segundo Paulo Ramos, um dos organizadores do evento, este ano o Jornadas teve recorde de trabalhos inscritos, o que surpreendeu muita gente. Por ser a primeira vez que acontecia em dois anos consecutivos, existia o temor da diminuição da quantidade de resumos submetidos. 
  • Muitos trabalhos interessantes foram apresentados no Jornadas este ano, mas destaco aqui a grande quantidade de trabalhos sobre a obra de Marcelo D’Salete, autor de Cumbe e Angola Janga. É bom ver que a a academia já se debruça sobre uma das obras mais importantes das HQs brasileiras em muito tempo. 
  • Apresentei parte de minha pesquisa sobre o imaginário do sertão nos quadrinhos, desta vez com um olhar apenas sobre a obra de Jô Oliveira. Vi muitos trabalhos que, assim como o meu, também analisam a bibliografia dos quadrinhos brasileiros e sua relação com a história e as representações da cultura brasileira. 
  • A conferência de abertura foi da professora Barbara Postema, que também lançou no Brasil o livro Estruturas Narrativas nos Quadrinhos (Peirópolis). Na sua palestra ela falou sobre os quadrinhos mudos. 
  • A conferência de abertura foi novamente bem descontraída –  diferente de muitos congressos acadêmicos – e ainda contou com o anúncio dos vencedores do Troféu nas categorias “melhor TCC”, “melhor dissertação” (vencida por Mayara Lista) e “melhor tese” (vencida por Liber Paz, agora bicampeão do prêmio).
  • Não pude ir no último dia, mas deu para ter uma ideia de como o evento foi bem prestigiado. Sem dúvidas, o Jornadas é hoje um dos espaços mais ricos de debate sobre quadrinhos no Brasil.  Mais do que um evento acadêmico ele é um agregador de uma riqueza crítica sobre essa mídia e suas diversas intersecções com áreas diversas. A presença de veículos especializados cobrindo o evento também indica que o interesse do grande público tem crescido. 
  • E o que é importante: estamos construindo um registro dos estudos de HQs, o que nos ajuda a dar perspectiva e aumentar a importância que os quadrinhos têm hoje nos diversos programas de pós-graduação. 
  • E teve paçoca! 

 

Este é o cartaz do Festival Internacional de Quadrinhos de Beja

O é um dos mais importantes eventos do gênero na Europa e vem crescendo para se tornar um dos mais interessantes do mundo quando o assunto é a HQ autoral. O evento acontece agora em maio na cidade portuguesa de Beja. Mais detalhes no Fb deles.

A volta do Viñetas Sueltas, o festival de quadrinhos da Argentina

vinetas

O festival de quadrinhos , um dos mais importantes da Argentina, está de volta. E para um país com uma produção tão rica de HQs a notícia é bem importante. A relevância do evento é enorme, pois ele foca na produção autoral e independente, o que projetos como Comic Cons e outros, não colocam como prioridade.

A última edição rolou em 2012. Agora a quinta edição será realizada nos dias 14 a 16 de outubro em Buenos Aires (no Palais de Glace, veja aqui o link do evento). Entre os convidados desta edição estão Ivan Brunetti (EUA), Pascal Rabaté (França), Jim Mahfood (EUA), Sammy Harkham (EUA), o editor italiano Antonio Scuzzarela e uma comitiva de quadrinistas e profissionais ligados ao quadrinho chinês, como como Zhao Zhicheng –Golo-, Wang He, Xu Ziran, Dong Peipei e Zhang Jing.

E os nomes nacionais argentinos também estarão presentes, como Esteban Podetti, Dante Ginevra, Erica Villar, Federico Reggiani, Fernando Baldó, Muriel Frega, Juani Navarro e Paula Andrade.

A arte incrível do cartaz é de Mario Scalerandi.

Workshop “O que um(a) quadrinista não deve fazer”, por Janaína de Luna, da Mino

cursojana

Passando para divulgar o workshop “O que um(a) quadrinista não deve fazer”, promovido pela editora da Mino, . Ela é responsável por cuidar de obras de artistas como Shiko, Fábio Cobiaco, Joan Cornellà, entre outros.

O cartaz incrível acima foi assinado pelo . O encontro será neste sábado (15), na Ugra Press, em São Paulo, às 10h. As inscrições são limitadas, por isso é bom correr. Vi essa dica no chapa Ramon Vitral.

Editoras francesas pedem boicote ao Angoulême em busca de mais diversidade

Ilustração parodia o tradicional gato mascote do festival como um testículo. (Reprodução).

Ilustração parodia o tradicional gato mascote do festival como um testículo. (Reprodução).

O último Angoulême foi uma mancha na história do festival em seus mais de 40 anos. Depois de acumular uma reputação de ser o mais importante evento de quadrinhos do mundo, uma celebração da arte e um incentivo para a evolução do meio, seus organizadores se embrenharam em uma série de erros após excluírem mulheres quadrinistas do prêmio principal.

Agora, as maiores editoras de quadrinhos da França propõem um boicote ao festival caso o evento não anuncie mudanças nas regras. Gigantes editoriais como a Glénat, Delcourt, Dargaud e Casterman estão entre as empresas que assinaram um documento pedindo um novo momento menos sexista e mais inclusivo para o festival.

Leia Mais
FIQ discutiu presença das mulheres nos quadrinhos

Tudo começou após a divulgação dos indicados ao Grande Prêmio, uma das maiores distinções do Angoulême, concedido aos quadrinistas não por uma obra específica, mas pelo trabalho de uma vida. A surpresa geral foi não ter nenhuma mulher entre os 30 anunciados. Isso é, de longe, inadmissível, sobretudo em uma arte com tantos talentos femininos.

Não bastasse esse erro crasso, a organização do festival demorou a se desculpar e só piorou o debate. O diretor geral do evento, Franck Bondoux, relutando em reconhecer o erro histórico, disse que o festival não poderia “distorcer a realidade”. “O festival não pode distorcer a realidade, mesmo reconhecendo o fato de que a lista realmente poderia ter incluído o nome de uma ou duas mulheres”, disse. Ele ainda comentou que o festival não poderia adotar um sistema de cotas.

Angoulême tem um histórico ruim quando o assunto é reconhecer o trabalho de mulheres. Apesar de diversas quadrinistas já terem sido indicadas a outras categorias, como melhor álbum, roteiro, etc, apenas uma venceu o Grande Prêmio, Florence Cestac, em 2000. No ano passado, Marjane Satrapi (de Persépolis) foi indicada, mas não levou.

Entre os 30 homens indicados em 2016 vários deles decidiram pedir a retirada de seus nomes da lista em respeito às colegas. O primeiro a fazer isso foi Joan Sfar, celebrado autor de O Gato do Rabino, seguido por outros quadrinistas como Milo Manara, Daniel Clowes, entre outros. Como quadrinho é coisa série na França, a secretária do Estado para os Direitos das Mulheres, da França, Pascale Boistard, disse no Twitter que a luta por mais reconhecimento das mulheres autoras é importante. A secretária recebeu no final do ano passado o Coletivo das Criadoras de Quadrinhos contra o Sexismo.

Esse grupo reúne 147 artistas e luta por mais espaço e visibilidade para as quadrinistas mulheres. Foram eles quem criaram o trocadilho com o nome oficial de Angoulême, que logo viralizou: de FIBD – Festival International de la Bande Dessinée (Festival Internacional de Quadrinhos), a sigla mudou para FIBD – Femmes Interdites de Bande Dessinée (Mulheres Proibidas nos Quadrinhos).

Depois de toda essa repercussão negativa, o , de forma constrangedora, decidiu que o prêmio este ano não teria indicados. Qualquer quadrinista era elegível e todos os membros e autores que tiveram trabalhos publicados em 2015 puderam votar em quem quiseram. Ao fim, venceu o belga Hermann, pouco conhecido no Brasil, autor de Lune de Guerre e outros. (Um parêntesis: Marcello Quintanilha venceu como melhor HQ policial com o ótimo Tungstênio).

angouleme

Um novo Angoulême

O festival tem agora uma chance de remediar sua imagem negativa e retomar seu posto na relevância das HQs no mundo. O recado das editoras é importante para lembrar de que uma maior diversidade de gênero é benéfico para todo mundo, de autores ao público.

O documento emitido nesta quinta à imprensa também mostra a força cultural que tem os quadrinhos no mundo, sobretudo na Europa. “O Festival conseguiu desacreditar a nossa profissão nos olhos do mundo”, diz o documento. “O festival deve ser repensado em profundidade, em sua estrutura, sua governança, estratégia, projetos e ambições”. Os editores pedem que a Ministra da Cultura da França seja a mediadora nesse debate pela nova fase do evento.

Veja abaixo o documento na íntegra, em francês e em inglês.

Atualizado: aqui a versão em português (tradução de Sergio Costa Floro).

Salvemos o festival Angoulême

Apoiadores leais do Festival Internacional de Quadrinhos de Angoulême (FIBD) desde a sua criação, os editores têm repetidamente alertado seus organizadores, seus financiadores e os poderes públicos sobre as deficiências recorrentes deste evento anual.

Consequência da falta tanto de uma visão compartilhada como de uma gestão eficaz, a última edição do Festival tem acumulado erros: ausência de mulheres na lista de autores elegíveis no Grand Prix da cidade de Angoulême, o descontentamento de autores frequentemente mal tratados pela organização, declínio de público, a falta de transparência nas seleções dos prêmios, cerimônia de encerramento desastrosa…

O Festival conseguiu deslegitimar a nossa profissão aos olhos do mundo, como demonstrado apropriadamente por Fabrice Piault, editor chefe de Livres Hebdo, em seu editorial de 05 de fevereiro de 2016.

Este evento tem um lugar central na vida dos quadrinhos. é impossível deixá-lo deteriorar-se e, assim, degenerar a imagem da 9ª Arte tanto na França como no exterior.

É por isso que decidimos não participar na próxima edição da FIBD se uma revisão radical não for implementada sem demora. O festival deve ser repensado em profundidade, em sua estrutura, sua gestão, sua estratégia, seu projetos e suas ambições.

Dada a magnitude da tarefa e a importância da questão, tanto para a nossa profissão quanto para a população de Angouleme e sua região, onde os quadrinhos geraram todo um complexo institucional e industrial, fazemos um apelo ao Estado: solicitamos à Senhora Ministra da Cultura que nos receba e nomeie um mediador para realizar urgentemente, esta reforma radical.

Assinaram o documento as editoras do Sindicato Nacional: Casterman, Dargaud, Delcourt, Denoël, Fluide Glacial, Futuropolis, Gallimard, Glénat, Jungle, Le Lombard, Panini, Rue de Sèvres, Sarbacane, Soleil, Urban, Vents d’Ouest.

Editoras da União das editoras alternativas (SEA): Anathème, Arbitraire, L’Association, Ça & Là, La Cafetière, La Cerise, La 5éme Couche, Cornélius, Éditions 2024, Frémok, Ici Même, Ion, L’Égouttoir, L’Employé du Moi, L’Œuf, Le Lézard Noir, Les Requins Marteaux, Les Rêveurs, Misma, Pré Carré, Radio As Paper, Super Loto, Vide Cocagne, Même Pas Mal, The Hoochie Coochie.

3ªs Jornadas Internacionais de Quadrinhos em São Paulo traz Paul Gravett e recorde de lançamentos

jornadas

Começa nesta terça (18) as 3ªs Jornadas Internacionais das Histórias em Quadrinhos, o maior congresso científico sobre HQs, que acontece na Escola de Comunicação e Artes, da USP. Entre os convidados desta edição estão Ian Gordon, autor de Film and Comic Books e , um dos estudiosos mais conhecidos da área, autor de 1001 Comics You Must Read Before You Die.

Gravett fará a palestra de abertura do Jornadas nesta terça (18). O inglês escreve sobre HQs desde os anos 1980 e foi responsável por divulgar produções de outros mercados, como Egito, África do Sul e Japão. Os amigos Érico Assis e Ramon Vitral fizeram ótimas entrevistas com Gravett sobre o panorama dos quadrinhos e a expectativa por essa visita ao Brasil.

Este ano vou participar das Jornadas Internacionais pela primeira vez. Vou apresentar o trabalho Identidade e Memória Sertaneja nos Quadrinhos Brasileiros, dentro da seção Quadrinhos, História e Cultura coordenado pela professora Sônia Bibe Luyten. No artigo eu discuto a importância das obras Bando de Dois, de Danilo Beyruth e Estórias Gerais, de Wellington Srbek e Flavio Colin para um novo entendimento das questões do Semi-árido brasileiro.

O evento está cheio de trabalhos interessantes e será impossível acompanhar tudo. Aqui a programação completa.

O evento deste ano também terá um recorde do número de lançamentos de livros teóricos de HQs, com destaque para O Sistema dos Quadrinhos (Marsupial Editora), do francês Thierry Groensteen, considerado um clássico da área

Troféu HQ Mix: Saiu a pré-lista de indicados deste ano

hqmix

A organização do troféu divulgou a pré-lista de indicados para a 27ª edição. As categorias, com sete indicados cada, foram disponibilizados para apreciação do público e estarão no ar até dia 15 de junho. “Todos o que desejarem se manifestar, de forma respeitosa e com contribuições positivas à premiação serão bem-vindos”, diz a organização.

Após este período os jurados analisarão e decidirão se mantêm as indicações ou se haverá mudança em algum item. Só depois disso a cédula final será apresentada e terá início o processo de votação do prêmio. Quem sentir falta de alguma HQ ou quiser dar alguma sugestão, é só ir lá no blog do troféu que o debate está interessante.

Veja a pré-lista abaixo:

Adaptação para os Quadrinhos
A Invenção de Morel (L&PM)
A Morte de Ivan Ilitch (Peirópolis)
Cânone Gráfico (Boitempo/Barricada)
Grande Sertão Veredas (Globo)
Helena (New Pop)
Kaputt (WMF Martins Fontes)
O Estrangeiro (Quadrinhos na Cia)

Desenhista Estrangeiro
Andrew C. Robinson (O Quinto Beatle)
Chris Samnee (Demolidor)
Fiona Staples (Saga)
Jeff Smith (Shazam & A Sociedade dos Monstros)
Masasumi Kakizaki (Hideout e Green Blood)
Paul Pope (Bom de Briga)
Salvador Sanz (Legião)

Desenhista Nacional
Flávio Luiz (Aú, o Capoerista e O Fantasma do Farol)
Laudo Ferreira Jr. (Yeshuah vol. 3 – Onde Tudo Está)
Luciano Salles (L’Amour: 12 oz)
Magno Costa (A Vida de Jonas)
Marcello Quintanilha (Tungstênio)
Marcelo D’Salete (Cumbe)
Shiko (Talvez Seja Mentira)

Destaque Internacional
André Diniz (Duas Luas)
Fábio Moon e Gabriel Bá (Casanova)
Greg Tocchini (Low)
Gustavo Duarte (Guardiões da Galáxia)
Ivan Reis (Aquaman e Multiversity)
Mike Deodato Jr. (Novos Vingadores)
Rafael Albuquerque (Vampiro Americano e Batman)

Edição Especial Estrangeira
Bom de Briga (Quadrinhos na Cia)
O Cão que Guarda as Estrelas (JBC)
O Quinto Beatle (Aleph)
Olympe de Gouges (Record)
Os Ignorantes – Relato de Duas Iniciações (WMF Martins Fontes)
Saga vol. 1 (Devir)
Shazam & A Sociedade dos Monstros (Panini)

Edição Especial Nacional
A Vida de Jonas (Zarabatana)
Aos Cuidados de Rafaela (Zarabatana)
Cumbe (Veneta)
Duas Luas (Gibiz)
Klaus (Balão Editorial)
L’Amour: 12 oz (Mino)
Tungstênio (Veneta)

Editora
HQM
JBC
WMF Martins Fontes
Nemo
Panini
Veneta
Zarabatana

Evento
Anime Friends (São Paulo)
Brasil Comic Con (São Paulo)
CCXP – Comic Con Experience (São Paulo)
Fest Comix (São Paulo)
Festival (São Paulo)
(Curitiba)
Ugra Zine Fest (São Paulo)

Exposição
Breve História do Mangá no Brasil (Gibicon)
David Lloyd – Um Inglês e o Brasil (Gibicon)
Exposição Kim Jung Gi – O gigante do oriente (Gibicon)
Imersão – Renato Guedes (Galeria Ornitorrinco e Gibicon)
Luz e Sombras – O Universo Fantástico de Salvador Sanz (Gibicon)
O Mundo Segundo Mafalda (Praça das Artes)
Ocupação (Itaú Cultural)

Livro
A Arte de Neil Gaiman – Harley Campbell
Heróis dos Animês – André Morelli
Humor Paulistano – A Experiência da Circo Editorial, 1984-1995 – Toninho Mendes (org.)
O Uso das Cores – Cris Peter
Quadrinhos e literatura: diálogos possíveis – Paulo Ramos, Waldomiro Vergueiro e Diego Figueira (orgs.)
Quadrinhos: história moderna de uma arte global – Dan Mazur e Alexander Danner
Tiras Livres: Um Novo Gênero dos Quadrinhos – Paulo Ramos

Novo Talento Desenhista
Camilo Solano (Captar)
Felipe Nunes (Klaus)
Gabriel Jardim (Café)
Germana Viana (Lizzie Bordello e as Piratas do Espaço)
Gustavo Borges (Edgar, Em Busca da  Energia dos Ventos)
Marco Oliveira (Aos Cuidados de Rafaela)
Samanta Flôor (Click)

Novo Talento Roteirista
Bianca Pinheiro (Dora e Bear)
Clayton InLoco (Hurula)
Felipe Nunes (Klaus)
Giovane Mello (Edgar, Em Busca da Energia dos Ventos)
Guilherme de Sousa (A Última Bailarina)
Samanta Flôor (Click)
Zé Wellington (Quem Matou João Ninguém)

Produção para Outras Linguagens
Agents of SHIELD 2ª Temporada (série de TV)
Capitão América 2 – O Soldado Invernal (filme)
Cena HQ (teatro)
Guardiões da Galáxia (filme)
Lili, a Ex (série de TV)
Luzcia, a Dona do Boteco (curta baseado em HQ de Luciano Salles)
X-Men, Dias de Um Futuro Esquecido (filme)

Projeto Editorial
Canone Gráfico (Boitempo/Barricada)
Coleção Histórica Marvel (Panini)
Grande Sertão Veredas (Globo)
Graphic MSP (Panini)
Humor Paulistano: A Experiência da Circo Editorial (SESI-SP)
Série Recordatório (Marsupial)
Selo Vertigo (Panini)

Publicação de Aventura-Terror-Ficção
20th Century Boys (Panini)
All You Need is Kill 1 e 2 (JBC)
Astronauta – Singularidade (Panini)
Demolidor 3 a 6 (Panini)
John Constantine – Hellblazer – Infernal vols. 1 a 3 (Panini)
Ronda Noturna (Zarabatana)
Zero Point (HQM)

Publicação de Clássico
A Saga do Monstro do Pântano 1 a 3 (Panini)
Coleção Marvel Terror: A Tumba de Drácula vol. 1 (Panini)
Creepy, Contos Clássicos de Terror vol. 2 (Devir)
Do Inferno (Veneta)
Lucky Luke vol.4 (Zarabatana)
Miracleman 1 (Panini)
Surfista Prateado – Parábola (Panini)

Publicação de Humor Gráfico
As Periquitas 1 (Kalaco)
Có! & Birds (Quadrinhos na Cia)
GRUMP, Naqueles Tempos – 20 anos de História (Independente)
Lizzie Bordello e as Piratas do Espaço (Jambô)
Nenhum Dia Sem um Traço (Independente)
O Livro de Ouro do Recruta Zero 1 (Pixel)
Pensamentos Babacas (Independente)

Publicação de Tira
Armandinho (Independente)
A Vida com Logan – Para ler no sofá (Jupati)
Calvin e Haroldo – As Tiras de Domingo 1985-1995 (Conrad)
Grump – Naqueles Tempos (Independente)
Macanudo 7 (Zarabatana)
Valente – Para o que der e vier (Panini)
Vida e Obra de Terêncio Horto (Quadrinhos na Cia)

Publicação Independente de Autor
Edgar 1 (Gustavo Borges)
Magra de Ruim (Sirlanney Nogueira)
Mayara & Annabelle vol. 1 (Pablo Casado e Thales Rodrigues)
Nenhum Dia Sem Um Traço (Ernani Cousandier)
Pátria Armada (Klebs Junior)
Revolta! (André Caliman)
Smegma Comix 1 (Pablo Carranza)

Publicação Independente de Grupo
321 Fast Comics
Café Espacial 13
Fronteira Livre
O Gralha – Tão Banal Quanto Original
QUAD 2
Um Rock para Caçador
Vigor Mortis 2

Publicação Independente One-shot
A Última Bailarina (Guilherme de Souza)
Captar (Camilo Solano e Thobias Daneluz)
Click (Samanta Floor)
Dora (Bianca Pinheiro)
Morphine (Mário Cau)
Quaisqualigundum (Davi Calil e Roger Cruz)
Talvez Seja Mentira (Shiko)

Publicação Infanto-Juvenil
Aú, O Capoerista e o Fantasma do Farol (Independente)
Bear 1 (Nemo)
Bidu, Caminhos (Panini)
Bolinha e os homenzinhos de Marte (Pixel)
Da Terra à Lua (Desiderata)
O Cão que Guarda as Estrelas (JBC)
Valente – Para o que der e vier (Panini)

Publicação Mix
Clássicos Revisitados vol. 2 – Monstros Noir (Independente)
Dark Horse Apresenta 1 e 2 (HQ Maniacs)
Gibi Quântico (Independente)
Henshin! Mangá (JBC)
Imaginários em Quadrinhos vol. 3 (Draco)
Juiz Dredd Magazine (Mythos)
Safadas vols. 1 a 4 (Nemo)

Roteirista Estrangeiro
Alan Moore (Fashion Beast, a Fera da Moda)
Brian K. Vaughan (Saga vol. 1)
Étienne Davodeau (Os Ignorantes)
José-Louis Bocquet (Olympe de Gouges)
Mark Waid (Demolidor)
Matt Fraction (Gavião Arqueiro)
Naoki Urasawa (20th Century Boys)

Roteirista Nacional
André Diniz (Duas Luas)
Eloar Guazzelli (Kaputt)
Laudo Ferreira Jr. (Yeshuah vol. 3 – Onde Tudo Está)
Magno Costa (A Vida de Jonas)
Marcello Quintanilha (Tungstênio)
Marcelo D’Salete (Cumbe)
Marcelo Saravá (Aos Cuidados de Rafaela)

Tira Nacional
A Vida como ela Yeah (Adão Iturrusgarai)
Chiclete com Banana (Angeli)
Malvados (André Dahmer)
Manual do Minotauro (Laerte)
Mentirinhas (Fábio Coala)
Níquel Náusea (Fernando Gonsales)
Salmonelas (Benett)

Web Quadrinhos
Terapia

Web tiras

Lu Cafaggi assina identidade visual do FIQ deste ano

fiq

, autora de Laços, ao lado de seu irmão Vitor e da HQ Mixtape, assina a identidade visual do Festival Internacional de Quadrinhos (FIQ), que acontece este ano em Belo Horizonte. “Com todo seu talento, a Lu nos presenteou com esta maravilhosa ilustração que, a partir de agora, vocês poderão conferir na fanpage, no site e em todo material de divulgação do evento”, disse a organização.

O FIQ acontece dias 11 a 15 de novembro na Serraria Souza Pinto e a entrada é gratuita.

Festival Guia dos Quadrinhos divulga programação completa

FGDQ_cartaz01_grande

O festival Guia dos Quadrinhos anunciou sua programação para a edição deste ano. Vai acontecer nos dias 11 e 12 de outubro, em São Paulo. O foco vai ser o comércio de HQs, com o estímulo à troca e venda de revistas raras, novas e usadas, além de colecionáveis, bonecos e outros itens.

Como neste ano o evento coincide com o final de semana do Dia das Crianças, haverá também distribuição gratuita de gibis para crianças. Menores de 10 anos não pagam entrada.

“O Festival (novo nome do Mercado de Pulgas) é o único evento do gênero no qual é possível encontrar gibis, mangás e colecionáveis raros ou esgotados, já que os itens em exposição saem dos acervos de colecionadores, lojas especializadas em usados e editoras”, explica a organização.

A programação do evento inclui ainda concurso de cosplay, exposições sobre o super-herói Demolidor e de desenhos originais do quadrinista brasileiro Flávio Luiz (Aú, o Capoeirista; O Cabra), bate-papos sobre diversos gêneros de quadrinhos, com participação de editores, artistas, autores e jornalistas.

Veja a programação abaixo:

Dia 11
12h: A Evolução do Mercado Brasileiro de Mangás, com Marcelo del Greco (Sampa) e Cassius Medauar (JBC). Mediação: Maurício Muniz
13h30: Pato Donald 80 anos, com Paulo Maffia (Editora Abril). Lançamento Oficial das Comemorações de Aniversário do personagem pela Editora Abril. Sorteio de prêmios após a palestra. Participação: Marcelo Alencar
14h30: Marvel vs DC: Porque os heróis são reinventados de tempos em tempos, com Rogério Saladino, Bernando Santana, Alexandre Callari (Panini), e Thiago Cardim (Judão). Mediação: Maurício Muniz
16h – Concurso de Cosplay
17h30: HQs Independentes: Os profissionais do mercado ensinam o caminho, com Flávio Luiz (Aú), Germana Viana (Lizzie Bordello e as Piratas do Espaço), Will (20.000 Léguas Submarinas) e Daniel Esteves (KM Blues). Mediação: Jota Silvestre (Revistas Mundo dos Super-Heróis e Mundo Nerd)
19h: Quiz Nerd: perguntas sobre quadrinhos e nerdices, com prêmios para os acertadores.

Dia 12
12h: Turma da Mônica: como é trabalhar com os personagens infantis mais conhecidos do Brasil, com Flávio Teixeira (Mauricio de Sousa Produções). Apresentação: Edson Rossato
13h: Sessão de Autógrafos com Flávio Teixeira
13h30: Concurso de Cosplay
15h: A produção Disney no Brasil: revista Zé Carioca, com os desenhistas Fernando Ventura e Tomaz Edson, e os roteiristas Denise Ortega e Kaled Kalil. Sorteio de prêmios após o bate-papo. Mediação: Edson Rossato
16h15: Sessão de Autógrafos e Desenhos com Fernando Ventura
16h30: O futuro dos quadrinhos de Super-Heróis no Brasil e no Mundo, com Levi Trindade (Panini), Leonardo Vicente (HQM), Thiago Borbolla e Renan Martins (Judão). Mediação: Maurício Muniz
19h: Quiz Nerd: perguntas sobre quadrinhos e nerdices, com prêmios para os acertadores.

Serviço:
Festival Guia dos Quadrinhos 2014
Data: 11 e 12 de outubro
Horário: das 10h às 20h
Local: Associação Beneficente Osaka Naniwa Kai (Rua Domingos de Moraes, 1581 – a 50 metros do metrô Vila Mariana)
Ingresso: R$ 10,00 para um dia ou R$ 15,00 para dois dias (meia-entrada). Crianças menores de 10 anos não pagam

Bienal do Livro de Minas terá área especial para HQs

bienal

A terá atrações dedicadas às HQs, a Bienal em Quadrinhos. Esta é a segunda edição do evento, que fez sucesso em 2012. São 80m² por onde circularão quadrinistas, ilustradores e contará com bate-papos sobre o processo criativo, carreira e outros temas relacionados.

No espaço, serão realizados, ainda, lançamentos, improvisações e sessões de autógrafos. A curadoria é de , quadrinista mineiro responsável pela realização do Festival Internacional de Quadrinhos (FIQ), em parceria com , co-curador da exposição “Entre ideias e rascunhos”, realizada no Sesc Palladium, e autor convidado do projeto Graphic MSP, da Maurício de Sousa Produções.

A 4ª Bienal do Livro de Minas Gerais 2014 acontece de 14 a 23 de Novembro de 2014, no Expominas.

Ocupação Laerte em São Paulo reúne obra e militância da cartunista

laerte_

A quadrinista ganha uma das maiores exposições de sua carreira a partir deste sábado (20), em São Paulo.

De 20 de setembro a 2 de novembro, o Itaú Cultural apresenta a Ocupação Laerte, abordando toda a produção artística da autora, mas também suas militâncias políticas e sociais. Com curadoria de seu filho, o artista visual, roteirista e quadrinista Rafael Coutinho, a exposição conta com a cenografia de Fred Teixeira.

A última grande exposição de Laerte foi no último Festival Internacional de Quadrinhos, o FIQ, em Belo Horizonte, em novembro do ano passado.

Esta nova mostra apresenta cartuns, desenhos, quadrinhos, ilustrações, curtas-metragens. Ela ocupa 120 m² do espaço expositivo, onde o visitante encontra cerca de 2 mil obras, entre elas uma autocaricatura da quadrinista dançando com o Minotauro, feita especialmente para a exposição. Do total de obras, cerca de 300 são originais, 400 imagens digitais em tablets e aproximadamente 1500 impressas –, selecionadas entre milhares, com destaque para um painel ao fundo da exposição com exatas 900 tiras.

LAERTE130206

Idealizada como um labirinto, em que o visitante decide por qual das cinco entradas e saídas começa e termina o percurso, a Ocupação Laerte traz desde desenhos que ele fez quando tinha 8 anos, em registros remotos de 1958-1959 até hoje. “O eixo dos anos 80 se destaca porque é onde está a maior quantidade de suas obras”, disse Rafael.

Outra trajetória importante do labirinto, ainda de acordo com o curador, será a dos tempos do sindicato. “São as tirinhas que ficaram presas na memória de um período político importante – o da ditadura militar – e permaneceram nos arquivos da OBORÉ por muito tempo”, diz. A seleção das obras deu espaço ainda a tiras publicadas nos principais jornais do país, na militância na revista Balão, nas revistas de banca da editora Circo, na Placar.

013.Oc Laerte_Hugo-Muriel 2_Foto Arquivo pessoal

Transgênero e contra-cultura

Além do hotsite que naturalmente acompanha a Ocupação física, o Itaú Cultural publica uma revista virtual que revela muito do labirinto criado por Laerte, com tiras, desenhos, um ensaio fotográfico, além de textos que analisam tanto a pessoa quanto o seu trabalho. A psicanalista Letícia Lanz, também mestre em sociologia e economista, assina textos onde se debruça na questão da transgeneridade a partir da artista. “Apesar das impropriedades e desacertos em torno dessa identidade de gênero, Laerte é hoje reconhecida como um dos principais ícones do mundo transgênero no Brasil”, escreve ela.

A Ocupação Laerte é a vigésima da série de ocupações promovida pelo instituto desde 2009. Nomes como Angeli, Paulo Leminski, Haroldo de Campos, Zé Celso Martinez e outros já ganharam mostras.

Visitação é de de 21 de setembro a 2 de novembro de 2014, de terça-feira a sexta-feira, das 9h às 20h. Sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h. Entrada franca. O Itaú Cultural fica na Avenida Paulista, 149, em São Paulo.

posando-nu-13_07_99

LAERTE121122

fteen-1102-14-copy

Começa a Gibicon, Convenção Internacional de Quadrinhos em Curitiba

gibicon

Começa nesta quinta (4) o – Convenção Internacional de Quadrinhos de Curitiba, um dos mais importantes eventos de quadrinhos do Brasil. Será no MuMA – Museu Municipal de Arte – Portão Cultural (Avenida República Argentina, 3430, Curitiba/PR).

Entre os convidados estão o inglês David Lloyd, os argentinos Eduardo Risso e Salvador Sanz, além do coreano Kin Jung Gi, entre outros. Este ano o festival estreia o prêmio Claudio Seto de Quadrinhos.

A programação pode ser acessada no site do evento. Já a Itiban publicou a longa lista de lançamentos que estão sendo esperados por lá.

Página 1 de 2

Jazz Metal é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2020