A cobertura do Rock sobre o fim do nas palavras de Hugo Montarroyos, que retomou sua coluna Tapa na Orelha, pra falar do ocorrido.

O Garagem era especial pelo inusitado todo da coisa. Um bar onde um único sujeito, Nilson, se encarregava de servir cerveja, passar o troco e mudar o som. O local lotava todo final de semana, sem exceção. O conforto era zero. O esquema era o tradicional “se vira”. E, quer saber? Era ótimo.

Quem mais vai ter saudades do Garagem?