Premiado como melhor documentário pelo público 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, com Menção Honrosa do júri, o documentário Chico Rei entre nós foi uma grata surpresa para a maioria dos cinéfilos que costumavam se acotovelar nas filas neste período e que agora disputam um aluguel temporário de uma sala virtual, sujeita a no máximo duas mil visualizações, na internet.

O longa de  estreia de Joyce Prado sobre a história do rei congolês ora reputada como verdadeira, ora como lenda, coloca em primeiro plano um país que até então se desconhecia, ou melhor, uma versão da história da escravidão e dos afrodescendentes que é quase sempre ignorada ou mistificada em favor da versão colonialista e branca.

Galanga era o rei do Congo, mas acabou capturado com sua família para ser vendido como escravo no Brasil. No trajeto, sua esposa e filha são atiradas ao mar. Galanga sobrevive com seu filho Muzinga e ao chegar ao Brasil, em 1740, é batizado como Francisco. A construção da Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos é atribuída a ele, que também era devoto de Santa Ifigênia, que trabalhou por anos na Mina da Encardideira, em Vila Rica (atual Ouro Preto) economizando dinheiro para concretizar esse sonho.

Essa não é a única façanha do rei Chico. Alforriado, ele vai comprar a liberdade de seus antigos súditos. Essa história de vencedores e não de vencidos, de um personagem que veio da África com um legado cultural e ético é a alma do documentário de Prado.


As irmandades criadas em torno dessas igrejas dos Homens Pretos, que eram proibidos de frequentar o culto católico com os homens brancos, surgem como uma manifestação de cultura afetiva e cultural de extrema importância para a comunidade negra, ainda que fruto de uma religiosidade imposta pela colônia, e o filme sabe explorar  em essa questão, por meio dos depoimentos de pessoas relacionadas a essas confrarias e das imagens de devotos e santos. O documentário não se limita a falar de Minas, e adentra São Paulo e os bairros de Santa Ifigênia e Liberdade, locais em que a memória da herança africana foram apagados.

Outro resgate importante que o longa faz é sobre a origem das congadas,  decorrentes precisamente do mito criado em torno de Chico Rei, do Congo, rito folclórico normalmente exibido como curiosidade turística de forma totalmente descontextualizada e sem nenhuma preocupação histórica e popular.


A maior riqueza do documentário é buscar nos personagens da atualidade os nossos Chico Reis, reavivando por meio das imagens e das falas a importância do sentimento de pertencimento à comunidade e a um coletivo, e o papel transformador que esse lugar pode trazer. Afina, a imagem do preto velho que é descartado pelo seu senhor com a abolição da escravidão, sem nenhuma utilidade, tem de ser desmistificada. A contribuição cultural da comunidade africana ao Brasil, e a diversos países latino-americanos, é prova inconteste de que essa visão do homem negro e escravo que nada tinha a oferecer além do seu suor é apenas mais uma faceta perversa do colonialismo que insiste em negar esse legado.