Revista O Grito!

Femme Fatale — Por Luiza Lusvarghi. Séries, Filmes, Produção Latino-Americana, Relações de Gênero

Tag: Documentário Brasileiro

O legado de Chico Rei e o resgate da memória afetiva


Premiado como melhor documentário pelo público 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, com Menção Honrosa do júri, o documentário Chico Rei entre nós foi uma grata surpresa para a maioria dos cinéfilos que costumavam se acotovelar nas filas neste período e que agora disputam um aluguel temporário de uma sala virtual, sujeita a no máximo duas mil visualizações, na internet.

O longa de  estreia de Joyce Prado sobre a história do rei congolês ora reputada como verdadeira, ora como lenda, coloca em primeiro plano um país que até então se desconhecia, ou melhor, uma versão da história da escravidão e dos afrodescendentes que é quase sempre ignorada ou mistificada em favor da versão colonialista e branca.

Galanga era o rei do Congo, mas acabou capturado com sua família para ser vendido como escravo no Brasil. No trajeto, sua esposa e filha são atiradas ao mar. Galanga sobrevive com seu filho Muzinga e ao chegar ao Brasil, em 1740, é batizado como Francisco. A construção da Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos é atribuída a ele, que também era devoto de Santa Ifigênia, que trabalhou por anos na Mina da Encardideira, em Vila Rica (atual Ouro Preto) economizando dinheiro para concretizar esse sonho.

Essa não é a única façanha do rei Chico. Alforriado, ele vai comprar a liberdade de seus antigos súditos. Essa história de vencedores e não de vencidos, de um personagem que veio da África com um legado cultural e ético é a alma do documentário de Prado.


As irmandades criadas em torno dessas igrejas dos Homens Pretos, que eram proibidos de frequentar o culto católico com os homens brancos, surgem como uma manifestação de cultura afetiva e cultural de extrema importância para a comunidade negra, ainda que fruto de uma religiosidade imposta pela colônia, e o filme sabe explorar  em essa questão, por meio dos depoimentos de pessoas relacionadas a essas confrarias e das imagens de devotos e santos. O documentário não se limita a falar de Minas, e adentra São Paulo e os bairros de Santa Ifigênia e Liberdade, locais em que a memória da herança africana foram apagados.

Outro resgate importante que o longa faz é sobre a origem das congadas,  decorrentes precisamente do mito criado em torno de Chico Rei, do Congo, rito folclórico normalmente exibido como curiosidade turística de forma totalmente descontextualizada e sem nenhuma preocupação histórica e popular.


A maior riqueza do documentário é buscar nos personagens da atualidade os nossos Chico Reis, reavivando por meio das imagens e das falas a importância do sentimento de pertencimento à comunidade e a um coletivo, e o papel transformador que esse lugar pode trazer. Afina, a imagem do preto velho que é descartado pelo seu senhor com a abolição da escravidão, sem nenhuma utilidade, tem de ser desmistificada. A contribuição cultural da comunidade africana ao Brasil, e a diversos países latino-americanos, é prova inconteste de que essa visão do homem negro e escravo que nada tinha a oferecer além do seu suor é apenas mais uma faceta perversa do colonialismo que insiste em negar esse legado.

O Brasil de hoje segundo Indianara: feminista, queer e global

O filme Indianara traz como sinopse a “história da ativista transexual Indianara Alves Siqueira”, criadora da Casa Nem, espaço de acolhimento idealizado pela ativista para pessoas LGBTIs em situação de vulnerabilidade, atualmente situada em Copacabana, na Dias da Rocha, ao lado do tradicional mercado Zona Sul. Ao ser indicado para concorrer à Queer Palm, premiação dedicada a filmes com temática LGBT de Cannes, em 2019, e conquistar o Coelho de Ouro no Mix Brasil, o documentário Indianara transformou-se numa bandeira da temática de gênero.

E nada disso traduz por inteiro a narrativa do filme, que atirou no que via, e acabou atingindo o que ainda não era visível quando o brasiliense Marcelo Barbosa e a francesa Aude Chevalier-Beaumel, começaram a colher imagens, há quase três anos.  “Já pensou se eles tivessem decidido acompanhar a trajetória da Marielle?”, dispara a agora Indianare, que optou recentemente por um nome não binário.

Indianara não é uma cinebiografia, como o nome pode sugerir, sua protagonista é a militante transexual Indianara Siqueira, paranaense de Paranaguá, que viveu anos na Europa, prostituta, já esteve presa na França, e hoje vive no Rio, totalmente dedicada a seu ativismo, ao lado do marido, Maurício.

O trabalho da Casa Nem tem por foco principal retirar as travestis e transexuais da rua, mas não necessariamente da prostituição. Elas têm todo apoio para sair de uma situação de marginalidade e pobreza, recebem orientação, mas decidem o que fazer de sua vida e de sua sexualidade. Sem moralismos.  Sua vida e sua trajetória solo certamente forneceriam farto material para qualquer documentário, ou mesmo uma ficção, com todos os ingredientes de thriller político. Mas Indianara foi generosa, e o que se vê ao longo das imagens do documental é um pedaço essencial da vida recente do país, a partir do seu lugar de fala, mulher transexual, consciente do seu tempo e do seu corpo.

As manifestações transfóbicas que antecederam a eleição do candidato do Partido Socialista Liberal (PSL), Jair Bolsonaro, trazendo um contexto de desilusão e desesperança, são assistidas pelas militantes da casa, que diante da televisão, recebem em prantos a vitória do candidato conservador. A cena é a mais perfeita tradução da falta de perspectiva e desalento que as políticas conservadoras que assolam o país vêm semeando.

Há performances de personagens da casa, festas, em cenas discretas e sensíveis,mas que respiram autenticidade. Algumas moradoras preferiram não ser expostas e foram respeitadas. As manifestações de rua são o ponto alto do filme, que traz cenas de Indianare com a vereadora Marielle Franco – ambas militaram juntas no PSOL –  antes de sua execução no dia 14 de março de 2018.

Indianare, que foi eleita vereadora suplente em 2016 pelo PSOL, foi expulsa do partido em 6 de abril de 2019 por problemas de conduta ética de seus companheiros da Casa Nuvem, e aparece em cena num discurso afirmando que nem os partidos de esquerda estão preparados para lidar com pessoas da sua condição.

O cotidiano de Indianara com suas amigas, e com seu companheiro Maurício, ex-militar e vivendo com HIV, em sua casa suburbana, rodeada pelos cachorros – um dos Rotweillerss que surge em cena com ela morreu antes da estreia -, mostram sua intimidade, mas sempre como uma vivência de intervenção social. Vegana, ela faz questão de pichar no muro a frase “Nem deus, nem pai, nem patrão, nem marido”, registrada na cena que antecede a sequência de seu casamento-espetáculo, um evento. A frase é uma versão feminista do slogan anarquista “Nem Deus, Nem Patrão” e símbolo do feminismo anarquista da Argentina no final do século 19.

A câmera é cúmplice de toda essa trama, e se faz quase imperceptível na maioria das cenas, mesmo quando acompanha a privacidade do casal e de suas amigas na piscina de plástico do quintal. Embora não chegue a ser um olhar tão neutro quanto o do Cinema Sireto, que tem por maior expressão hoje os documentários de Maria Augusta Ramos, permite que as imagens contem sua história sem a presença explícita de seus realizadores.

O filme estreou no dia 9 de dezembro de 2019 na França em 24 salas de cinema, com críticas assinadas pelos principais jornais locais, mas como aconteceu com outras obras  importantes do cinema nacional, segue sem perspectiva de lançamento no Brasil. O impulso para o lançamento na França veio certamente da participação em Cannes, porém não é difícil prever que o documentário  vai ter problemas no circuito brasileiro, pela temática e pelo protagonismo de Indianara, que faz da sua vida um palco para encenar as disputas políticas enfrentadas na atualidade pelas relações de gênero.

O longa pertence à estirpe dos documentários que Bill Nichols (2012) classificaria de observativos, tradição originária do Cinema Direto, e, para ele, predominante em produções estadunidenses e britânicas, em que a câmera se limita a registrar os fatos, sem interferir nos eventos. No entanto, em Indianara, logo a câmera se distancia dessa função de voyeur, para circular também como o modo performático, alentado pelo carisma de sua protagonista, e de suas companheiras da Casa Nem.

Para Nichols, todas as narrativas fílmicas são de certa forma, documentários, pois evidenciam a cultura que os produziu, mas os formatos denominados de ficção são aqueles que expressam de forma mais livre a satisfação de nossos desejos, e os documentários de representação social, aqueles que normalmente são classificados como documentários ou ainda como não-ficção, sendo naturalmente mais ensaísticos e opinativos.

Estes últimos empenham-se em convencer o espectador a compartilhar de uma visão de mundo. Ainda que essas características possam estar presentes em ambas as categorias, no gênero documentário temos o predomínio das questões sociais e éticas.

Como expressão de uma cultura, o documentário passa, necessariamente por diferentes técnicas de abordagens em função da época, do contexto, e da região em que foi produzido. Nichols vê nos documentários latino-americanos certa tendência ao Cinema Verdade (o Verité).

O longa de Barbosa e Chevalier-Beaumel não segue essa linha, da qual Eduardo Coutinho talvez seja a expressão máxima. Sem limitar-se a uma câmera subjetiva e isenta, aposta na hibridação, e ao conjugar diferentes modos de registro e de relação com a câmera, investe no conceito de Nichols, em que o gênero deve ser capaz de criar uma verdade imaginária, que convença o espectador e lhe sirva de embasamento para a vida social e política.

A câmera é cúmplice de toda essa trama, e se faz quase imperceptível na maioria das cenas, mesmo quando acompanha a privacidade do casal e de suas amigas na piscina de plástico do quintal.  O filme estreou no dia 9 de dezembro de 2019 na França em 24 salas de cinema, com críticas assinadas pelos principais jornais locais, mas como aconteceu com outras obras  importantes do cinema nacional, não conseguiu ser lançado em cinemas no Brasil, por conta da pandemia. O filme está disponível nas plataformas You Tube, Google Play, NOW, Vivo Play, Apple TV itunes, Mubi

Femme Fatale é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2020