Uma multidão na abertura do Carnaval do Recife nesta sexta (13), na abertura do Carnaval do Recife. Zeca Pagodinho foi a grande atração da noite. A Revista O Grito! cobria o evento do meio do povão, onde todos, espremidos, enotoavam canções de cor, embebidos em latões da skol a R$ 2.

Zeca se mostrou um bom headline e fez jus ao nome “multicultural” apregoado pela Prefeitura do Recife. O samba animou toda a plateia que superlotava todas as ruas adjacentes ao Marco Zero, polo central da folia. Chegar ao Terminal Marítimo, central de serviço que tem desde banheiros decentes (item importante neste Carnaval) até comidas e stand de informações, é bastante difícil. Gasta-se no mínimo meia hora ao enfrentar o trânsito de tanta gente.

Antes de Zeca, se apresentaram no palco do Recife, o percusionista Naná Vasconcelos, tradicional anfitrião do Carnaval do Recife, com seus também tradicionais 500 batuqueiros. Ainda baixaram no palco, a Spok Frevo Orquestra (este sim, uma entidade onipresente), Getúlio Cavalcanti, André Rio, Geraldo Maia, Luiz Melodia e o Maestro Forró (o hype de 2010).

Findo o show de Zeca Pagodinho, as atrações desta noite no Carnaval do Recife são as ruas adjacentes, como a Tomazina, onde o Burburinho reina com seus rocks embolorados e o Garagem 2.0, em frente, com som anos 80. Quem deseja algo mais tradicional, tem a cerveja barata na Praça do Arsenal, ou a Moeda, desde 2009, polo moderninho da cidade.

Sem mais artigos