O cantor John Lennon, mesmo depois de morto, ainda gera polêmica. Imagens do cantor fumando maconha, escrevendo músicas e cogitando jogar LSD no chá de Richard Nixon são a peça central de um processo judicial que começa a ser julgado na semana que vem em Boston.

A World Wide Video, empresa de colecionadores de material dos Beatles e pagou um milhão pelo material, diz ser a proprietária e quer fazer um documentário em preto e branco de duas horas do material, mesmo a contra gosto de Yoko Ono, viúva do astro. A revista “Rolling Stone” qualifica o material como “incríveis imagens de John Lennon que você pode nunca ver.”

A empresa, que pagou mais de US$ 1 milhão pelo material (incluindo custos legais e outros gastos) quase o estreou em 2007 na Academia Berwick, no Maine, mas desistiu na última hora porque advogados de Yoko apareceram na escola dizendo deter os direitos sobre o filme. Segundo os documentos judiciais, a World Wide disse ter comprado, em 2000, 24 fitas e seus respectivos direitos de Anthony Cox, que foi marido de Yoko antes de ela se casar com Lennon, em 1969. Cox filmou as imagens entre 8 e 11 de fevereiro de 1970 no sítio de Lennon na Inglaterra, para um documentário que pretendia realizar.

Sem mais artigos