Talhado para os festivais, o grupo aposta na eletrônica, mas soa sem personalidade

sem muito carisma no novo, False Alarm
NOTA6

A banda norte-irlandesa Two Door Cinema Club conseguiu em apenas quatro discos construir sua persona artística de um grupo talhado para os festivais de música. São uma banda de arena, por isso suas músicas precisam muito balancear esse apelo mainstream com qualquer tentativa de riscos criativos.

Isso sempre gerou para eles faixas palatáveis e hits feitos para cantar junto. No novo trabalho, False Alarm, eles decidiram explorar ainda mais a eletrônica. As faixas seguem super bem produzidas e buriladas de maneira quase meticulosa. O problema dessa vez é que o resultado ficou sem muito carisma. Não há nada tão divertido como “What You Know”, do Tourist History (2013) ou “Sleep Alone”, do Beacon (2012).

Deste registro “Satellite” e “Talk” são as melhores, mas soam distantes e repetitivas em relação ao que já apresentaram. Ninguém aqui está reclamando de soarem convencionais, mas a falta de personalidade causa certa distância ao ouvinte e fica difícil se relacionar. Nem mesmo as letras, em sua maioria sobre os dilemas atuais trazidas pela internet, conseguem adentrar qualquer debate mais aprofundado.

TWO DOOR CINEMA CLUB
False Alarm
[Glassnote Entertainment Group, 2019]
Produzido por Jacknife Lee
Sem mais artigos