TV On The Radio (Foto: Divulgação)

DOCES BATIDAS
Nova-iorquinos deixam o peso de lado e apostam em canções sensuais, mas sem perder a vanguarda
Por Paulo Floro

TV ON THE RADIO
Dear Science,
[4AD, 2008]

O grupo nova-iorquino TV On The Radio entrou na confortável zona de artistas que possuem uma quase unânimidade quanto à qualidade do trabalho que fazem. Com apenas três discos, desde Return Of The Cook Mountain que eles têm a crítica e fãs cativos. Este Dear Science, não foi diferente. Seguido de uma expectativa em blogs de músicas do mundo todo, a banda conseguiu manter o mesmo nível de experimentalismo sem abandonar sua verve pop, característica que os fez famosos.

A deliciosa mistura jazzística que pontuou os dois discos anteriores parece que se tornou a tônica deste. Estão muito mais destacados o uso de instrumentos como flauta, trompete e sax. Até mesmo o vocalista Tunde Adebimpe está abusando mais dos falsetes. Se por um lado, eles abriram mão de hits explosivos como “Wolf Like Me” (abertura do disco passado), agora abraçam o pop cheio de manha de “Golden Age”, primeiro single de trabalho. Com sintetizadores pontuando as batidas cadenciadas, a música é uma das mais sensuais do disco.

A troca de clima musical fez bem ao TVOR, que vai criando uma discografia sólida em discos com personalidade definida, algo como o Radiohead vem fazendo desde OK Computer. Vale a pena acompanhar a trajetória da banda desde Desperate Youth, Blood Thirsty Babes (2004), apostando tudo no que havia de mais inusitado na vanguarda do rock à época. Depois de um disco de rock com peso e texturas (influência da música eletrônica era nítida) que foi o Return To The Cook Mountain, este terceiro trabalho de estúdio fecha um bom panorama da larga criatividade da banda.

Um track a track mostra que a banda pensou calculadamente cada canção. Produtores obcecados que são, o disco fará a alegria dos fanáticos em técnica. Os mais emotivos terão motivos de sobra para abraçar o álbum, sobretudo com a montanha-russa que vai do jazz-fusion sacolejante aos ritmos lentos de vocal choroso. “Shout Me Out” e “Love Dog”, além de “Family Tree” são os exemplos mais emblemáticos da mudança de panorama: são lentas, apelam para um estilo mais próximo da música pop romântica, mas mudam de ritmo bruscamente, lembrando que a banda ainda é dada à ousadias e experimentos.

O TV On The Radio mais do que parecer doce e fácil, encontrou dentro de suas próprias referências um novo caminho a seguir. À sua maneira incorruptível vão construindo um nicho próprio dentro da música pop. Merecem toda a unanimidade de que gozam.

NOTA: 9,5

[audio:http://revistaogrito.com/page/audio/05-Golden-Age.mp3]
TV On The Radio | “Golden Age”

[audio:http://revistaogrito.com/page/audio/01-Halfway-Home.mp3]
TV On The Radio | “Halfway Home”


Clipe de “Golden Age”

[+] VEJA MAIS CRÍTICAS DE MÚSICAS DESTA EDIÇÃO

Sem mais artigos