Pelos editores da Revista O Grito!

O número de atrações do Carnaval do Recife faz com que qualquer um fique perdido com tantas opções. São mais de 900, todas gratuitas. Claro, isso também pode ser uma opção interessante, mas quem quiser curtir o Carnaval com boas opções de shows, é preciso tempo e paciência para escolher entre tantos shows gratuitos nesses quatro dias de festa. E nem adianta mais apelar para um chamado “carnaval alternativo”, já que as atrações pop e independentes, que fogem dos artistas radiofônicos ou os ritmos populares, estão espalhadas pelos diversos polos da cidade.

O mais interessante de todos, o Rec Beat, este ano trará boas atrações e mantém a tendência dos anos anteriores de promover intercâmbio com países da América Latina e outros ritmos além do pop. Mas, palcos descentralizados, nos subúrbios concorrem com boas surpresas. A Revista O Grito! escolheu as atrações imperdíveis neste ano no Recife.

10 – Baiana SoundSystem
A ideia do grupo é divulgar e explorar novas possibilidades sonoras da Guitarra Baiana, instrumento inventado na Bahia nos anos 1940. É um dos projetos mais criativos a surgir no cenário independente ano passado. Tem como referências, o SoundSystem jamaicano e o rap norte-americano. A revelação Russo Passapusso faz parte da banda, além de Robertinho Barreto (guitarra baiana), Marcelo Seco (baixo) e Chico Corrêa (programação eletrônica). / No Rec Beat, sábado, 0h30.

09 – Rhaissa Bittar
Dona de personalidade para se destacar entre as novas cantoras brasileiras, Rhaissa toca pela segunda vez na cidade em pouco mais de um mês. Ela fez um elogiado show de seu primeiro disco no Espaço Muda e recebeu elogios pelo trabalho que mistura a parte boa da MPB, boas composições e até música chinesa. É sua prova de fogo para uma audiência maior, na casa dos milhares. / No Rec-Beat, Paço Alfândega, segunda (7), 21h.

08 – Odair José
Algumas pessoas pode chegar ao Paço Alfândega na ideia de um revival, uma espécie de atração trash dentro da programação do Rec-Beat, outros podem já ter entendido uma possível proposta cult de Odair José. Mas, este artista vai provar que ainda tem muito o que dizer, sobretudo se tocar novas músicas, que estarão presentes no disco novo que está sendo produzido por Zeca Baleiro. / No Rec-Beat, segunda (7), 23h10

07 – DJ Marky
Por anos, ele significou o que tinha de mais relevante na música eletrônica brasileira e fez sucesso no exterior com o drum and bass no final dos anos 1990. Parece que vive um novo bom momento e pode trazer suas novas ideias para o Carnaval do Recife. Mas, pela força de seu nome, o público vai torcer mesmo pelos hits antigos. / Na Tenda Eletrônica, Paço Alfândega, domingo (6), 1h30

06 – B Negao e os Seletores de Frequencia + Gerson King Combo
Encontro interessante, o que mostra a criatividade da programação dos polos na periferia este ano. O ex-Planet Hemp B Negão é conhecido por fazer ótimas jams em palcos pelo país, e ao lado de uma espécie de lenda viva para os amantes de black music, deve protagonizar um show clássico nesse Carnaval. O mais interessante desse encontro é que o rapper vem com sua banda, ao contrário de outras passagens suas por aqui. / Na Varzea, segunda (7), 20h.

05 Mombojo + Devotos (Ibura, seg, 21h)
Duas das maiores bandas no Recife hoje em dia se encontram em outro polo descentralizado, fora das multidões que se encontram pelo Recife Antigo e arredores. Com disco recém-lançado, o Mombojó deve tocar os novos sucessos, como “Antimonotonia” e “Papapa”. Já do Devotos, instituição roqueira da cidade, podemos esperar a mesma explosão de sempre. Não deve ser tão incrível como seu último – e clássico show – no Rec Beat, no aniversário de 20 anos. Mas, um show de Devotos no Carnaval sempre é algo a ser ver. / No Ibura, segunda (7), 21h.

04 – Marcelo Jeneci
Principal revelação do ano passado, Marcelo Jeneci trabalha na linha de Marcelo Camelo e seu pop mais sensível, com letras sobre relacionamento e amor. Ele é uma atração com a cara do Rec Beat, ou seja, apostando em nomes que começam a ganhar projeção (foi assim com o Vanguart, por exemplo). O disco de Jeneci, Feito Pra Acabar, foi muito elogiado e incluindo em diversas listas de melhores do ano. 2011 é o ano para despontar e o palco do Rec Beat sempre se mostrou um bom lugar para isso. / No Rec Beat, segunda (7), 0h30

03 – Handsome Furs
A dupla de Quebec, o Handsome Furs é formado pelo casal Dan Boeckner e Alexei Perry. Ficaram famosos pelo estilo indie punk e shows explosivos. Deve ser um das apresentações mais comentadas desta edição do Rec-Beat e pode contar com a empolgação do público instigado do Carnaval. O grupo está sem um trabalho novo recém-lançado (o último, Face Control foi de 2009), mas isso não deve importar muito.

02 – Que Putz Sem Loção É Essa?
Pelo terceiro ano consecutivo, os dois coletivos que movimentam as noites recifenses, a Putz! e a FSL – Festa Sem Loção promovem noites concorridas no Carnaval, no inferninho Francis Drinks. É a opção ideal para quem viu todos os shows que queria, está trabalhando, ou simplesmente tem como objetivo final da folia dançar até de manhã ao som de discotecagem pop. Tocam Dani Arrais, Lady Khekhe, Lala K, Rebel K, entre outros. / De sexta a segunda, a partir da 0h. Francis Drinks, Recife Antigo

01 – Alessandra Leão / Karina Buhr / Marina Lima
Escondido entre tantas agremiações e shows, as atrações deste dia no Pátio de São Pedro trazem o melhor que o pop criou, tanto recentemente como muito antes. A trinca de atrações formada por Alessandra Leão, Karina Buhr e Marina Lima servem para fazer um panorama de boas vozes femininas de várias épocas. E cada um com um estilo muito característico e original. Alessandra com suas experimentações e arranjos que passeiam por diversos estilos, é uma ótima oportunidade para se descobrir mais sobre essa artista. Karina, com sua presença de palco e um ótimo disco, encantou diversas plateias ano passado. Estranhamente, não teve tantos momentos no Recife quanto deveria. Completa esse dia, Marina Lima, que é conhecida por shows memoráveis em suas passagens pela cidade. Só faltou mesmo um show para juntar as três. Se bem, que, no Carnaval, nunca se sabe. Quem também toca nesse dia é Zé Cafofinho. Imperdível. / No Pátio de São Pedro, segunda (7), 19h30

Sem mais artigos