Longe do provável sucesso efêmero, Walkmen mostra que é uma banda de bases sólidas
Por Mariana Mandelli

THE WALKMEN
You & Me
[Gigantic, 2008]

Mais conhecidos pela faixa “Little House of Savages”, que fazia parte do segundo volume da trilha sonora do extinto seriado norte-americano The O.C. (2003-2007), o The Walkmen prova que não é mais uma dessas bandas de sucesso efêmero e lança seu quinto álbum, You & Me.

Formado em 2000, em Nova York, o grupo é quase uma banda de “restos”. Ex-membros do Jonathan Fire*Eater – Paul Maroon (piano e guitarra), Walter Martin (órgão e baixo) e Matt Barrick (bateria) – e do The Recoys – Peter Bauer (órgão e baixo) e Hamilton Leithauser (vocal e guitarra) juntaram-se para criar o The Walkmen.

O primeiro disco, Everyone Who Pretended to Like Me Is Gone, veio em 2002 e foi muito bem recebido pela crítica, fazendo sucesso no mundo do indie rock. Bows + Arrows (2004), o segundo álbum, foi ainda mais elogiado e levou o hype do Walkmen às televisões do mundo todo com o seriado The O.C., uma verdadeira febre na época. A série, que contava com uma trilha sonora excelente – Super Furry Animals, The Killers, Rooney, Death Cab for Cutie, Interpol, The Perishers e Beulah são apenas alguns nomes que embalaram as cenas de Ryan (Benjamin McKenzie) e Marissa (Mischa Barton) – catapultou Bows + Arrows, levando o disco aos primeiros lugares das listas de melhores do ano e fazendo de “Little House of Savages” e “What’s in It for Me” verdadeiros hits. A banda chegou a aparecer em um dos episódios do seriado, fazendo uma performance ao vivo. O sucesso do grupo chegou até ao Brasil: em 2004, o The Walkmen apresentou-se em Natal (RN) no festival Mada (Música Alimento da Alma) para 24 mil pessoas.

Depois de lançar dois discos em 2006, A Hundred Miles Off (bem aceito pela crítica especializada) e “Pussy Cats” Starring the Walkmen (uma espécie de álbum cover-tributo ao disco Pussy Cats de Harry Nilson, produzido por John Lennon em 1974), o Walkmen chega a You & Me com texturas mais sofisticadas e um tom de profissionalismo admirável.

O álbum abre com a climática “Dónde está la Playa”, que tem pitadas de experimentalismo e noise rock. “In The New Year”, o primeiro single, é sujo e desesperado, com o vocal febril de Leithauser gritando versos de desejo de um ano melhor.

O garage rock, gênero matriz do som do Walkmen, se faz presente nos riffs tristes de “I Lost You” e “If Only It Were True” e nas batidas de “Four Provinces”. Atenção para a bateria marcada e quase triunfante de “Seven Years Of Holidays (For Stretch)”, que também aparece na introdução de “Postcards From Tiny Islands”, provavelmente a melhor faixa do disco. Já a balada “Red Moon” tem ares vintage e melodia quase epifânica. O charme retrô também se faz presente nas etéreas e quase delicadas “Canadian Girl”, “Long Time Ahead Of Us” e “New Country”, que, juntamente às camadas sonoras hipnóticas de “On The Water” e “The Blue Route”, dão o tom de You and Me. O Walkmen conseguiu fazer de seu quinto trabalho um disco competente e bem produzido, que abre ainda mais as portas para a banda e nos deixa esperando pelo seu próximo passo no universo do rock alternativo.

NOTA: 7,0

[audio:http://premium.fileden.com/premium/2008/6/2/1941598/1-09%20Four%20Provinces.mp3]
“Four Provinces”

Sem mais artigos