Luxo e distorção

The Raveonettes

THE RAVEONETTES
Lust, Lust, Lust
[Fierce Panda, 2007]

The Raveonettes - Lust Lust Lust A dupla dinamarquesa The Raveonettes recuperou a influência do Jesus and Mary Chain, após abandonar ecos de Blondie do disco anterior, Pretty In Black. O novo disco que chega esta semana às lojas da Europa, Lust, Lust, Lust coloca a banda de volta ao cenário rock mundial depois de mais de dois anos sem material inédito.

Quando surgiu com Whip It On em 2002, a dupla formada por Sune Rose Wagner e Sharin Foo foram comparados a Velvet Underground e Jesus and Mary Chain. Com muita distorção e vocais sessentistas, a banda lançou três ótimos discos, até chegar neste Lust, Lust, Lust. O visual da dupla também chama atenção. O Raveonettes é mais um daqueles casos onde o quesito fashion complementa a idéia.

Lust, Lust, Lust retoma as referências mais básicas da banda, entre elas o shoegazer com toques meigos e as letras nada inocentes de Rose Wagner. No disco anterior, a banda buscou um pouco do estilo kitsch dos anos 1950 e ao lado de Maureen Tucker do Velvet Underground trouxe canções pop que mais pareciam trilha de algum filme camp. Este novo disco desde a abertura mostra que o duo está mais pesado. Claro que temos o melhor do Raveonettes: baladas em dueto, muita distorção e clima vintage. A diversão de escutar a banda é cair na proposta saudosista e bem-humorada. A julgar pelos clipes, ensaios e shows, está claro que eles não querem se levar a sério. E, mesmo que alguem os acuse de não inovarem a cada disco, a criatividade e o talento da dupla garante horas de diversão. [Paulo Floro]

NOTA: 8,0

Sem mais artigos