THE HORRORS
Strange House
[Stolen Transmission / Loog, 2007]

Mesmo que pelo visual bizarro ou pelo goth-punk sujo e agressivo, o Horrors conseguiu um espaço – ainda que pequeno – no cenário indie. O quinteto britânico é formado por Faris Badwan (vocalista), Tomethy Furse (baixista), Joshua Von Grimm (guitarrista), Coffin Joe (baterista) e Spider Webb (tecladista). A banda começou no verão de 2005 e, devido ao look espalhafatoso, logo ganhou fama.

O debut do grupo, Strange House, foi lançado em terras britânicas em março e só chegou aos Estados Unidos em maio deste ano. Entre as canções de Strange House, estão os singles que vêm sendo lançados desde 2006, como “Sheena Is A Parasite”, “Jack The Ripper”, “Death At The Chapel” e o último, “Gloves”.

Entre as principais influências, estão Edward Gorey, Joe Meek e The Cramps, embora alguns mais atentos consigam ver indícios de B-52’s e The Fall. Os teclados são o segredo do som da banda, juntamente com as guitarras bem articuladas, dentro de um punk rock com jeito de freak show. Isso fica evidente em Strange House que às vezes soa estranhamente divertido, outras, repetitivo demais, o que cansa os ouvidos. A produção do disco conta com Nick Zinner (do Yeah Yeah Yeahs) e Alan Moulder.

O álbum começa com “Jack The Ripper”, cover de Screaming Lord Sutch, que tem um clima de zumbi aceleradíssimo e a voz gritada e ameaçadora de Badwan. Já a assombrosa “Draw Japan”, vem com guitarras agudas e uma espécie de “órgão eletrônico” ao fundo. “Thunderclaps” tem guitarras vibrantes e um coro digno de um filme de terror enquanto “Gil Sleeping” é instrumental e apresenta batidas jazzísticas, sons distorcidos e um clima de vertigem. [Mariana Mandelli]

NOTA: 6,5

Sem mais artigos