Foto: Brick Lane

THE CLIENTELE
God Save The Clientele
[2007, Merge Records]

Completando dez anos de carreira em 2007, a banda britânica The Clientele lança seu terceiro disco de inéditas, God Save the Clientele. Formado em Londres, Inglaterra, em 1997, o grupo é composto por Alasdair Maclean nos vocais e nas guitarras, Mark Keen na bateria, James Hornsey no baixo e Mel Draisey no violino, teclados, percussão e no backing vocal. As influências de Felt, Galaxie 500 e do pop da década de 60 são notáveis na mistura de indie pop, twee e dream pop da banda.

O primeiro disco, The Violet Hour (2003), decepcionou a crítica por não estar à altura dos singles lançados previamente em EPs. Já Strange Geometry (2005) recuperou elogios, revigorando o som da banda e recebendo aplausos por ser mais criativo e emotivo que o anterior. Agora, com God Save the Clientele, a banda consegue se consagrar como um dos grupos que melhor lida com sons delicados, texturas macias e temas melancólicos na atualidade.

O tom baixo da voz de Maclean, que canta como se estivesse contando uma história para uma criança dormir, reforça os véus sônicos do Clientele, tornando o disco coeso, agradável e charmoso como uma sucessão de canções suaves e delicadas, que falam diretamente ao coração.

O álbum começa com “Here Comes The Phantom”, uma espécie de “sleepy ballad” que apresenta violinos ao fundo – assim como “Isn’t Life Strange”. No mesmo estilo onírico, “I Hope I Know You”, “The Queen Of Seville” e “Somebody Changed” são melancólicas e cativantes. Entretanto, no quesito tristeza, “Dreams Of Leaving” leva o prêmio de canção mais intimista, exalando dor e pesar.

Atenção para os teclados lamuriosos de “These Days Nothing But Sunshine”, para a sutileza hipnótica de “No Dreams Last Night”, para a bateria pacífica de “Carnival On 7th Street” e para a estranheza “The Garden At Night”. “From Brighton Beach To Santa Monica” é, sem dúvidas, um dos tesouros do disco. As texturas delicadas – com orquestrações ao fundo – e a harmonia sonolenta características atingem seu grau máximo nessa canção. [Mariana Mandelli]

NOTA: 8,0

Sem mais artigos