O cenário rave brasileiro tem crescido exponencialmente nos últimos anos, agregando públicos distintos por meio de um hedonismo com base no gênero do techno. O Recife tem começado a fazer parte dessa cena, a exemplo do eixo São Paulo/Belo Horizonte, onde festas como Mamba Negra, Masterplano, ODD e Capslock ganham ares de festival com programação recheada de produtores locais que não deixam barato em comparação a artistas reconhecidos mundo a fora.

E é nessa pegada que teremos amanhã a terceira edição da Hypnos, no Espaço Arvoredo. A Hypnos surgiu no final de 2016 quando o cineasta André Antônio e o fotógrafo Pedro Vasconcelos se conheceram e logo firmaram uma ideia: montar uma rave de techno. André já tocava os sons metálicos do techno industrial nos inferninhos da cidade. Pedro, além de fotógrafo, pesquisa música eletrônica experimental há quase uma década, como hobby,  e decidiu que estava na hora de não só ser mais um ouvinte. Depois de algumas viagens e muitas reuniões criaram a festa que hoje também conta com o artista plástico e produtor cultural Aslan Cabral em sua equipe.

A ideia é agregar o que sempre foi considerado dissonante no cenário mais amplo da cidade: som de qualidade, música eletrônica de borda, artistas visuais das mais diferentes áreas (do drag ao teatro e  à dança) e tudo de uma forma acessível aos mais diversos públicos e classes.

O fato de não fazermos uma festa cara e tendo em mente políticas voltadas para públicos marginalizados como as pessoas trans (que não pagam para entrar desde a primeira festa) aglutinou uma galera muito diversa, que nem nós mesmos costumávamos ver nos outros inferninhos. nosso som tem um diálogo forte com o obscuro, outro ponto fora de cogitação em outros rolês, mas mesmo assim as pessoas amam e ficam em transe até o final”, explica Pedro.

Aslan conheceu  a cultura queer eletrônica na Alemanha e desde então sempre torceu para encontrar pessoas  que topassem movimentar esse tipo de elemento no Recife. “Criar territórios de liberdade , ativar potências… e acabar com o equívoco do passado onde festas de música eletrônica, no Recife, eram em maioria frequentadas por ‘playboys’. Sempre foram alguns dos meus interesses nesse tipo de colaboração, produção. Mas acima de tudo: Dançar muito!”

O som da Hypnos nesse sábado fica por conta de Karma, dj convidada dessa edição, André Antônio, DESNA e Netochka Nezvanova. A festa também terá performances visuais das artistas Aurora Boreal, Libra e Jorge Kildery. A entrada custa 15 reais a noite inteira, pessoas trans não pagam (enviando o nome para a inbox da página Hypnos) e as cinquenta primeiras pessoas a chegar também não pagam. O Espaço Arvoredo fica na Rua Gervásio Pires, 436.

Mais informações, como mixtapes, no link do evento.

Sem mais artigos