O grupo lançou, na sexta-feira (31), o terceiro álbum de estúdio, , depois da parceira com a Universal Music. O trio formado por Assucena Assucena, Raquel Virginia e Rafael Acerbi traz 10 canções inéditas e 3 videoclipes dirigidos por Rafael Carvalho, que esteve à frente das faixas “Volta”, “Carne dos Meus Versos” e “Shazam Shazam Boom”.

Sucessor do premiado Bixa (2017), o trabalho era esperado por seus fãs após o single e clipe Das Estrelas, lançado em janeiro de 2019 e que se atrevia a dar mostras do tom eclético, doce e, ao mesmo tempo, político deste disco agora completo. Assucena relembra que Tarântula nasceu sem pretensão em razão de ter sido inicialmente concebido para um EP. Apesar do tom também político, o grupo se livrou das retóricas para criar uma obra livre que trata também do afeto e do cotidiano. “Tarântula construiu seu conceito na medida em que íamos descobrindo cada canção e conectando seus significados até chegar a um disco”, explica Assucena. Para Raquel, em Tarântula há “paixões perdidas, fuça de fuzil, a Bahia e mulheres que botam para quebrar”. “O álbum é o século 21 sob nossa perspectiva, nossas crônicas, relatos e aventuras”, resume.

O álbum de MPB tem os esperados sambas e baladas que já são marcas do trio, mas, com maturidade, ousa no universo do pop. O álbum já está disponível em todas as plataformas musicais.

Sem mais artigos