MACACOS PARA CRIANÇAS
Longe de inovações estéticas, Space Chimps acerta em cheio seu público-alvo
Por André Azenha, especial para O Grito!

SPACE CHIMPS – MICO NO ESPAÇO
Kirk De Micco
[Space Chimps, EUA, 2008]

Macacos que falam e se comportam como seres humanos. Viagem sideral. Pensou em O Planeta dos Macacos? Adicione uma pitadinha de 2001 – Uma Odisséia no Espaço, humor infantil e animação computadorizada e temos Space Chimps – Micos no Espaço (bom, como geralmente acontece, o título nacional derrapa feio, pois tratam-se de chipanzés, e não micos), longa-metragem de animação da Paris Filmes que estreou esse final de semana nos cinemas brasileiros.

Dirigido pelo cineasta estreante Kirk De Micco, profissional oriundo da televisão e que também escreveu o roteiro, o filme difere-se de outras produções do gênero lançadas esse ano. Enquanto o espetacular Wall-E também brincava com 2001, mas possui uma temática um tanto mais adulta, e Kung Fu Panda diverte, mas investe em referências a produções orientais que só marmanjos podem perceber, Space Chimps é desenho animado para as crianças. Tem piadas que podem soar bobinhas para adolescentes, mas que podem levar guris com menos de dez anos a darem gargalhadas. E para acertar em cheio seu público alvo, o longa investe em ambientes coloridos, mensagens positivas e tem trilha sonora dançante.

A trama conta a saga de três chipanzés da NASA que partem numa missão visando tentar descobrir vida em outro planeta e acabam se envolvendo com um monarca tirano. Com certeiros 81 minutos (alongar mais, seria afugentar a platéia mirim, algo que ocorreu com Speed Racer), Space Chimps deve ser encarado pelos mais velhos como veículo para seus filhos e sobrinhos. Está muito longe de ser uma obra prima, mas pode ser visto pelos pimpolhos sem problemas.

NOTA: 7,5

Sem mais artigos