Someone Still Loves You Boris Yeltsin (Foto: Divulgação)

REVOLUÇÃO RUSSA INDIE
Com nome esdrúxulo, banda americana chama atenção para dream-pop cativante
Por Mariana Mandelli

SOMEONE STILL LOVES YOU BORIS YELTSIN
Pershing
[Polyvinyl, 2008]

O nome da banda é quase infame, mas o dream pop dos norte-americanos do Someone Still Loves You Boris Yeltsin acaba chamando mais atenção do que a própria alcunha do grupo. Os garotos de Springfield, Missouri, chegam ao seu segundo disco, Pershing, melhores do que a elogiada estréia em 2005, com Broom.

Formado hoje por Philip Dickey (vocal, baterista e guitarrista), Will Knauer (guitarrista), John Robert Cardwell (vocais, baixo e guitarra) e Jonathan James (baterista e baixo), o SSLYBY é mais uma daquelas bandas de colegiais que acabou vingando. A (infeliz) idéia do nome, que faz referência ao primeiro presidente russo (de 1990 a 1999), veio do próprio Dickey, também principal compositor, enquanto fazia compras com a mãe.

Pershing é o novo Chutes Too Narrow (2003, do The Shins)? Ainda é cedo para dizer. Mas a impressão que fica das faixas trabalhadas e harmônicas do disco é de que a banda colocou Rivers Cuomo (Weezer), Brian Wilson (mentor dos Beach Boys), Pixies, Stephen Malkmus, Ben Kweller e Pavement no liquidificador, bateu e tomou sem respirar. Vocais melódicos e riffs bonitinhos (“Glue Girls” e “Modern Mystery”) se equilibram com gritinhos e o maior peso das guitarras (“Boring Fountain” e “Think I Wanna Die”), que dá ao álbum uma forma mais indie rock e twee do que o disco anterior. O destaque fica por conta de “Oceanographer”, com riffs viciantes e solo de bateria.

Mesmo deixando de lado os acústicos e as músicas mais climáticas, influências da melancolia de Elliot Smith, as texturas delicadas ainda têm espaço – caso de “Heers”, “Dead Right” e das belíssimas cordas de “Some Constellation”.

Pershing é daqueles discos que te pegam na primeira ouvida. Superando muito bem a expectativa do segundo disco, o SSLYBY se reinventou sem perder a essência. James Mercer, prepare-se para deixar seu trono.

NOTA: 8,5

Someone Still Loves You Boris Yeltsin – “Pangea”

Sem mais artigos