FÁBULA PÓS-MODERNA
Shrek terceiro encanta, mas muda de público gerando bons resultados nas bilheterias nacionais
por Fernando de Albuquerque

No primeiro fim-de-semana em cartaz foram cerca de 1,4 milhões de espectadores segundo números da DreamWorks. O filme superou a Era do Gelo 2, estando atrás, apenas, de Homem Aranha 2. Talvez por tanta popularidade é que o filme do Ogro mais fofo do mundo mereça tanta atenção. Dono de piadas espirituosas e muito sarcasmo escondido nas falas, Shrek terceiro, assumiu a vanguarda do cinema de animação nos EUA e no mundo inteiro no quesito atração de platéia.

Agora sem Bussunda dublando a voz de Shrek, as aventuras do Ogro começam com a morte do Rei Harold, pai de Fiona, fazendo com que Shrek seja obrigado a ficar no cargo e isso não o agrada nem um pouco. É quando ele decide partir em viagem para encontrar Arthur (originalmente na voz de Justin Timberlake), o próximo na linha de sucessão que terá que substituí-lo. Já Fiona, grávida, fica em casa ao lado das princesas mais desejadas do reino. Só isso já garante ao espectador muito pano para as mangas já que a projeção diverge das edições anteriores lançando mão de personagens que antes estavam à margem da narrativa.

Shrek, apesar de preponderante na história, ganha um papel de pouca funcionalidade nessa terceira história. Até mesmo o burro, quase onipresente nos filmes anteriores, sai um pouco de cena. O Biscoito, por exemplo, tem um momento flashback impagável e Pinóquio, com a cena mais divertida em todo o filme – quando tenta enganar o Príncipe Encantado de uma forma que seu nariz não cresça. Também é interessante quando todas as princesas se unem para combater o Encantado. Há uma proliferação de coadjuvantes em Shrek Terceiro que fazem com que o divertidíssimo Gato de Botas perca um pouco de lugar na história. Contudo, nada que comprometa a diversão nesta animação, muito pelo contrário: ela está garantida, já que o terceiro filme da franquia mantém o mesmo “espírito” dos anteriores sem que a série caia na mesmice.

Na medida em que as questões relacionadas ao protagonista são cada vez mais referentes ao universo adulto – como a paternidade e as responsabilidades de ser monarca -, Shrek Terceiro dialoga melhor com os espectadores mais crescidos, especialmente pela importância desses elementos no desenvolvimento da trama, bem como pelas referências usadas no longa-metragem. Essa edição do filme, portanto, parece se dirigir a esse caminho: ao gosto do público adulto, amadurecendo junto com o protagonista.

 

SHREK TERCEIRO
[EUA, 2007] 

NOTA: 8,5

Sem mais artigos