A VOLTA DOS QUE NÃO FORAM
Artistas remanescentes dos anos 1980 lançam novos trabalhos e tentam mostrar ao público que ainda entendem de sucesso
Por Gilberto Tenório

A década de 1980 costuma ser desprezada pela sociedade em vários aspectos. Da política à economia, da moda aos costumes, tudo o que remete a esses já tão distantes anos é considerado “menor” ou atrasado. A música, pelo menos uma parte dela, é uma das poucas boas lembranças da era “gel e ombreira”. Apostando nissso, vários são os artistas “oitentões” que, apesar de nunca terem se aposentado de fato, voltam agora ao mainstream com folêgo renovado. Nesse boom de revivals estão a volta do grupo The Police e os novos discos do Duran Duran e de Siouxsie Sioux (vocalista da banda pós punk Siouxsie & The Banshees).

Siouxsie Sioux

Siouxsie & The Banshees foi uma das bandas mais emblemáticas do movimento pós punk britânico. O grupo conseguiu grudar alguns hits na lembrança musical das pessoas – a dançante “Cities In Dust” é o maior exemplo desse feito. Com o sucesso, a performática vocalista do grupo, Siouxsie Sioux, tornou-se uma espécie de diva e seu estilo de cantar influenciou tanto quanto seu jeito de se vestir. Após anos de estaleiro, ela volta a ativa com Mantaray, seu primeiro álbum solo. Ao 50 anos de idade, Siouxsie já não tem a necessidade de outrora de mudar o mundo – o que ela quer agora é se divertir. E isso fica claro no novo trabalho marcadamente pop. Com composições próprias, o disco mescla canções com uma estrutura clássica que exploram o trabalho vocal de Siouxsie com algumas pitadas do punk. Com Mantaray, a musa abre uma nova e promissora fase em sua carreira.

Duran Duran

O Duran Duran foi uma máquina de fazer hits durante vários anos da década de 1980. Dos anos 1990 para cá eles estavam meio esquecidos, para não dizer decadentes. Seus integrantes passaram a fazer bicos individuais – um deles até posou para a capa da revista G Magazine. Em 2007, a banda volta com o novo e comentado Red Carpet Massacre. Lançado oficialmente no mês de novembro na Europa e Estados Unidos, o CD é uma tentativa de atualizar o som do grupo. Para isso, eles chamaram o rei Midas da música pop atual, o produtor norte-americano Timbaland. O álbum também conta com a participação de Justin Timberlake na faixa “Nite Runner”. O resultado final do trabalho não é dos mais maravilhosos, entretanto os caras dão conta do recado. Para uma banda que estava no ostracismo há anos, Red Carpet Massacre é um recomeço eficiente.

The Police

De todas as “voltas” ocorridas no ano, a mais aguardada e comemorada é sem dúvida a do grupo inglês The Police. Formada em meados da década de 1970, foi nos anos 1980 que a banda se tornou um fenômeno e lançou músicas que até hoje são regravadas e tocadas. Em 2007, mais precisamente em 12 de fevereiro, o trio anunciou em coletiva que estava voltando à labuta. A turnê, que já passou por diversos países, chega ao Brasil em 8 de dezembro com uma imensa expectativa dos fãs. Esta será a segunda passagem do The Police pelo país – a primeira foi em 1982. A apresentação vai ser uma boa oportunidade para os roqueiros veteranos mostrarem que ainda conseguem levantar o público ao som do rock melódico característico de Sting e companhia. Resta saber se as novas gerações vão se emocionar com “clássicos” como “Every Breath You Take” e “Roxane”.

Sem mais artigos