Foto: Caroline Bittencourt / Divulgação

Por Rafaella Soares
Da Revista O Grito!, no Recife

Escalação insólita, sucesso certeiro. Essa é uma receita frequente do Festival Recbeat, que em sua 16ª edição, trouxe o “terror das empregadas”, Odair José, no line-up da segunda (7), terceira noite do festival.

O cantor romântico arrebanhou um público bastante heterogêneo para prestigiar o show,  com a turma mais velha (composta por alguns jornalistas da turma do querido Xico Sá), colada ao palco e entoando clássicos como “Eu vou tirar você desse lugar”, “A noite mais linda do mundo (A Felicidade), “Na minha opinião”, “Que saudade de você” e outros standars do seu repertório – com excessão de ‘A pílula”, aguardada para o final, mas ignorada – seria o clássico maldito do goiano?

Odair, tipo um tanto cabisbaixo, parecia estar genuinamente entusiasmado de tocar num palco mais diverso . Chegou sem roadie, simpatizou no backstage com a imprensa e veio carregando seu próprio case. A banda, enxuta, conta além dele com baixista, teclado e baterista.

As gerações mais recentes, se não conhecem a música de Odair das FM’s populares, guardam a lembrança de quando esse estilo ainda era tido como “brega”, quando hoje, sabemos, são crônicas rasgadas de amor versado na dureza e em parceria com moças que vendem seus carinhos a preços módicos.

Embora tenha voltado para o bis e deixado o palco sem cantar seu clássico mais lembrado, Odair José deixou um saldo positivo, de aproximar quem estava presente com a música feita nos tempos de uma certa ingenuidade perdida.

Sem mais artigos