Auto-retrato de Grampá para o jornal O Globo

PASSADO O HYPE
Grampá, um dos mais bem-sucedidos quadrinhistas de sua geração fala da sua relação com os quadrinhos nacionais, de seus projetos futuros e do que ouvia enquanto fazia Mesmo Delivery seu trabalho mais conhecido
Por Paulo Floro

Quando a Revista O Grito! elegeu Rafael Grampá como a principal aposta para 2009, o hype do quadrinhista gaúcho já havia se desenhado. Mesmo sem muitas informações na cobertura diária de quadrinhos, ele levou seu álbum Mesmo Delivery para a Comic Con, maior convenção de quadrinhos do mundo, que acontece em San Diego (EUA). No meio de tantos artistas promissores que levam seus trabalhos ao evento, ele teve um plus: foi indicado junto com os habituées Fábio Moon e Gabriel Bá ao Eisner Awards, na categoria Melhor Antologia, por 5. A americana Becky Cloonan e o grego Vasilis Lolos também assinam a obra. No dia seguinte, Rafael retirou da bagagem 100 cópias do livro e colocou no seu estande. Vendeu todas no mesmo dia. “Aquilo gerou um ‘buzz’ muito grande. Todos vieram na nossa mesa atrás do gibi”, lembra Grampá do episódio, em entrevista por telefone.

Rafael também foi tomado de assalto pela repercussão da obra. “Foi um puta baque. Não tinha caído a ficha. Eu achei que iam demorar para conhecer a revista, mas naquele dia vieram falar comigo o Brian Azzarello (autor de 100 Balas), o Matt Fraction (desenhista) e depois encontro o Mike Mignola (criador de Hellboy), que diz conhecer e gostar muito do meu trabalho”, lembra. Mesmo Delivery, lançada lá fora pela editora AdHouse Books foi bancada do próprio bolso pelo autor. Mas a decisão não poderia ter sido mais acertada. Estratégia incomum nos quadrinhos brasileiros, Grampá foi atrás de onde havia demanda para ser consumido e respeitado. “Eu tinha planejado de lançar apenas nos EUA, porque aqui não tem suporte para o autor. E eu não sou um cara engajado pelo quadrinho nacional, sabe?”, conta. Os próximos trabalhos também serão lançados antes lá fora, já que “os caminhos estão abertos”.

Mutarelli, o padrinho
“Sou um cara normal, sabe? Não conheço muito das HQs nacionais, quando gosto de um gibi vou lá e compro”. Grampá pode até não ter um network extenso nos quadrinhos independentes nacionais, mas ligado afetiva e profissionalmente a importantes e promissores nomes. É amigo de Rafael Coutinho, filho do cartunista Laerte e letrista de Mesmo Delivery. Sem falar nos Gêmeos, Fábio Moon e Gabriel Bá, criadores da série 10 Paezinhos e com carreira consolidada no exterior.

Mas é talvez Lourenço Mutarelli a ligação mais importante na trajetória do gaúcho. Grampá trabalha atualmente na adaptação de O Dobro de Cinco, uma das obras mais conhecidas do autor paulista, que recentemente decidiu parar de fazer quadrinhos. “Não tenho lido mais HQs, nem acompanhado nada, mas posso indicar o trabalho de Grampá, um garoto muito bom, que acho muito bom”, disse Lourenço mês passado, em visita ao Recife. Essa sua lacônica opinião esconde um relacionamento bem mais importante na carreira de Grampá.

Voltando ao episódio da Comic Con, foi Mutarelli que trouxe mais exemplares de Mesmo Delivery para a convenção. “O Sedex tinha mandado 400 cópias para Memphis, então eu perguntei ao [roteirista] Rodrigo Teixeira, se ele não poderia trazer algumas do Rio, onde as revistas tinham sido impressas. Foi aí que ele convençeu Lourenço a trazer 200 para San Diego. Desnecessário dizer que todas também se esgotaram rapidamente.

Mais de um mês depois, Mesmo chegaria ao Brasil, pela editora Desiderata, que mesmo sem falar em números exatos afirma que foi um de seus livros que mais vendeu. “Quando lançei o gibi aqui minha vida já tinha mudado bastante, por conta de todo esse hype, do Eisner”, recorda Grampá. Mesmo tendo “vendido pra caralho”, Grampá discorda do preço, muito salgado para o mercado nacional. “Não aguento esse papo cansado de que HQ não vende. Acho que o editor tem que fazer a parte dele”, reclama. “Os editores sabem que ganham na quantidade da venda, por isso eles fazem uma base de lucro que não leva em conta que se o preço fosse baixo venderiam mais”. Grampá entregou a arte de seu livro pronta, sem receber adiantamento de produção. “Eles botam 40 paus pra que? Pra não vender”. A edição norte-americana, pela ADHouse Books custa 12,50 dólares.

Água Peluda
O novo livro de Rafael Grampá, Água Peluda, ou Furry Water, não tem editora definida no Brasil, mas é certo que seguirá o mesmo caminho de Mesmo Delivery e será lançado antes nos EUA. “A história desta HQ existe antes de Mesmo Delivery, mas eu só tinha feito quatro páginas. Como ela tem uma premissa mais elaborada, decidi fazer Mesmo antes pra me testar, ver se eu teria fôlego para continuar”, diz Grampá.

Ele será co-escrita por Daniel Pellizari, escritor e tradutor, muito amigo de Rafael. Será uma série em seis capítulos, mas ainda não há nada definido quanto ao formato. “Estamos bem tentados a fazer três graphic novels com duas histórias cada”. Segundo Grampá nos adianta, será uma proposta mais elaborada, não tão centrada na ação quanto seu primeiro livro. “Terá um conteúdo de honra por trás da trama e um contexto pós-apocalíptico”, adianta. Enquanto isso, o quadrinhista finaliza sua colaboração com Brian Azzarello numa edição de Constantine, do selo Vertigo, da DC Comics. Nas próximas semanas, ele embarca para Nova York, onde fará o lançamento de Mesmo Delivery na descolada Desert Island. Lá poderá encontrar amigos, entre eles Becky Cloonan, que participou da independente 5 e autora de Pixu e DEMO, ao lado de Brian Wood.

[+] RAFAEL GRAMPÁ ALÉM DO MESMO: MÚSICA, QUADRINHOS, CINEMA

Sem mais artigos