SCOTT PILGRIM CONTRA O MUNDO – VOL. 3
Brian L. O ‘Malley (texto e arte)
Tradução de Érico Assis
[Quadrinhos na Cia / Companhia das Letras, 432 págs, R$ 35]

Este terceiro volume encerra a saga do jovem Scott Pilgrim, um dos personagens mais interessantes a surgir nos quadrinhos por inovar na metalinguagem entre videogame e HQ. Criado pelo canadense Brian Lee O’Malley, esta terceira parte reúne as edições cinco e seis da coleção original. A edição nacional é primorosa em respeitar o conteúdo original e ainda conseguir agrupar tudo em menos volumes, o que gera uma baita economia. A tradução também é outro desafio, já que o autor lota a história de referências pop, onomatopeias que são essenciais na trama, entre outros recursos. A única bola fora é colocar todo o livro em preto e branco, ignorando algumas páginas coloridas do original. Para quem viu o filme, que reúne a série inteira, essa terceira parte pode ser um pouco cansativa. Mas, ainda trata-se de um gibi original, ousado no formato e especialmente divertido aos nerds.[Paulo Floro]

NOTA: 7,5

EPIC MICKEY
Peter David (texto), Claudio Sciarrone, Fabio Celoni e Paolo Mottura (arte)
[Abril, 128 páginas, R$ 14,95]

A proposta tinha tudo para ser um sucesso. Inspirada no videogame de mesmo nome, o personagem principal, o coelho Osvaldo, vive num mundo extradimensional habitado por seres esquecidos do mundo Disney. Ao lado desses rejeitados, ele nutre um desprezo e inveja com o mais famoso camundongo do mundo, Mickey. Concebido há 84 anos por Walt Disney e Walter Lantz, foi um sucesso em uma série de desenhos animado da Universal nos anos 1920 até cair no ostracismo. Como Walt Disney perdeu os direitos para o estúdio, criou Mickey Mouse como resposta e o resultado todos conhecem. A Disney o retomou na metade dos anos 2000, e enfim, o tirou do limbo com essa HQ. Escrita por Peter David, conhecido por seu trabalho com o Hulk e outros super-heróis, esse álbum tem roteiro confuso que não ajuda quem não sabe ou não tem interesse em saber toda a história dos bastidores envolvendo o protagonista. Os desenhos também ficam devendo, num meio termo entre a simplicidade infantil e algo mais elaborado. A edição tem como mérito a tentativa de explicar a metalinguagem utilizada e que norteia a trama, mas isso só acontece no fim, quando todos já chegam cansados de uma trama tão tortuosa e auto-referente. Por outro lado, esse trabalho de resgate de um personagem tão clássico é algo louvável. Com menos pretensão, talvez funcionasse melhor.[PF]

NOTA: 4,0

NOVOS X-MEN: NOVOS MUNDOS
Grant Morrison (texto), Igor Kordey, John Paul Leon, Phil Jimenez e Ethan Van Sciver (arte)
Tradução de Jotapê Martins
[Panini, 168 páginas, R$ 19,50]

Terceiro volume da controversa fase de Grant Morrison no comando do título dos Novos X-Men. O escritor escocês aplicou novos conceitos no grupo, criou personagens, reformulou outros e trouxe mudanças que ainda hoje repercutem nas histórias dos mutantes. Em resumo, tirou os X-Men do marasmo criativo em que se encontravam. Mas nem Morrison conseguiu manter uma unidade na sua radical proposta para o grupo e, curiosamente ou não, essa compilação da Panini reúne os maiores defeitos desta série. O problema foram as diversas pontas soltas que ficaram dos arcos anteriores. Além disso, aberturas na trama vão sendo abertos, deixando tudo ainda mais complexo e à espera de um desfecho, que só chegará em um outro volume. Quem acompanhou essas histórias quando foram publicadas na revista mensal X-Men sabe que o melhor está reservado para a nova encarnação da Fênix, uma das melhores sequências que esses personagens já vivenciaram desde os anos 1980. Mas, pior que o roteiro só mesmo os desenhos. Sem seu artista regular, Frank Quitely, que não tem perfil de seguir os apertados prazos da indústria norte-americana, e outros mais relevantes, temos aqui Igor Kordey, com um traço que deixa todos com cara deformada, descaracterizados, e as mulheres, com aparências de travestis de meia-idade. No final, a arte de Phil Jimenez anuncia que a melhor parte dessa saga visionária para os quadrinhos de super-heróis estão por vir.[PF]

NOTA: 6,5

Sem mais artigos