DC APRESENTA 9 – RENEGADOS E ASA NOTURNA
Judd Winick e Marc Andreyko (texto) e Scott McDaniel e Joe Bennett (arte)
[Panini, 80 páginas, R$ 6,5]

Descobrir o mínimo de relevância nesta edição especial é tarefa difícil. As duas histórias contidas aqui fazem parte de edições anuais gringas e não há nada que possa fazer deste lançamento algo importante para o leitor DC. Em Renegados, temos o desfecho de uma trama que se desenvolve na revista mensal Novos Titãs, da Panini, sobre o herói Raio Negro que, preso por um crime que não cometeu participa de uma trama de conspiração. Já a segunda história, do Asa Noturna, faz ligação com as minisséries Crise Infinita e 52. Depois de uma sequência de boas edições, o almanaque mensal da DC decepciona. Seria melhor para o bolso do leitor as referidas histórias continuarem perdidas no mix das revistas mensais. [PF]

NOTA: 1,5

100 BALAS – PARLEZ KUNG VOUS 1
Brian Azzarello (texto) e Eduardo Risso (arte)
[Pixel, 68 págs, R$ 7,9]

Mais uma edição da série 100 Balas, uma das mais famosas do selo Vertigo, chega às bancas pela editora Pixel. Desta vez, a história se passa em Paris, quando Dizzy, que apareceu no primeiro volume vai atrás de homem a mando do Sr. Shepherd. Nesta edição são feitas vários questionamentos pertinentes à trama: porque as balas não são rastreáveis? Qual o propósito por trás da maleta? Qual a função de cada escolhido do agente graves na conspiração? Este arco será publicado em duas partes como parte da estratégia da editora de colocar a série em bancas por quatro meses seguidos. Caso a receptividade for boa, 100 Balas ganha uma periodicidade mais definida. Os elementos característicos criados por Azzarello e Risso continuam aqui, sobretudo as experiências narrativas. A decisão de não traduzir os diálogos em francês, trouxe um maior realismo às cenas, no entanto compromete a HQ por forçar o leitor a interromper a leitura para verificar a tradução na última página. No mais, 100 Balas a cada volume reafirma sua posição entre as melhores séries Vertigo publicadas no Brasil. [PF]

NOTA: 7,0

TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA
MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS
O ALIENISTA

Laílson de Holanda Cavalcanti
[Companhia Editora Nacional, preços e número de capas diversos]

O pernambucano Laílson se tornou notório pela adaptação que fez de Os Lusíadas, de Camões. Lusíadas 2500 recebeu muitos elogios da crítica especializada e apresentou o autor para uma nova geração de consumidores de quadrinhos. Agora a Companhia Editora Nacional coloca nas livrarias mais seis adaptações literárias e três são feitas pelo autor: Triste Fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto, Memórias de Um Sargento de Milícias, de Manuel Antônio de Almeida e O Alienista, de Machado de Assis. Mesmo essa onda de trazer para os quadrinhos grandes obras da literatura mundial ter uma boa dose de oportunismo mercantilista, Laílson consegue realizar uma obra relevante, artisticamente falando. Para Lailson, que prepara a continuação de Lusíadas 2500 para este ano, essa coleção remete às famosas séries Classic Illustrated, lançada pela Abril e Edições Maravilhosas da Ebal. [PF]

NOTA: N/A

Sem mais artigos