HISTÓRIA DO UNIVERSO DC
Marv Wolfman e George Perez
[Panini, 164 págs, R$ 19,90]

Este volume, que chegou às bancas semana passada tenta contextualizar e explicar a cronologia do Universo DC, a mais complicada dos quadrinhos. Escrita por Marv Wolfman e George Perez (autores especializados em “crises” da editora), trata-se de uma obra histórica. Era 1986 e Crise nas Infinitas Terras causava grande comoção entre os leitores. Este encadernado tem uma boa mistura de texto e imagens, numa narrativa que garante fluidez na leitura – a voz é de Precursora, personagem de destaque em Crise. Pena que tanto cataclisma não serviu de muita coisa e a DC foi “vítima” – na verdade, seus leitores, sempre lesados por cronologias e histórias sem pé nem cabeça – de outras Crises, que sempre reformulam origens e acontecimentos. Indicado apenas para curiosidade dos fãs mais ferrenhos. [PF]

NOTA: 6,0

MARVEL ESPECIAL 13 –
(texto) e Humberto Ramos (arte)
[Panini, 140 págs, R$ 15,90]

O supergrupo Fugitivos fizeram sucesso no universo Marvel por causar empatia numa fatia de público infanto-juvenil que estava esquecida pela editora depois que as histórias passaram a enfocar tramas mais adultas e densas. Este novo volume de histórias chama atenção pela sua equipe criativa. Terry Moore, autor cult da saga , que por anos emocionou leitores indies até ser cancelada ano passado e Humberto Ramos, desenhista mexicano considerado garoto prodígio nos anos 1990 e um dos que introduziram a estética do mangá nas HQs ianques. Com bom texto, este especial garante diversão escapista. A trama vai fundo no aventuresco, praticamente o oposto das intrigas, roteiros complexos e linguagem adulta que está agradando crítica e público atualmente. [PF]

NOTA: 7,0

– RODRICK É O CARA
Jeff Kinney (texto e arte)
[V&R, 244 págs, R$ 32,90]

O best-seller Diário de um Banana teve performance curiosa nos EUA, onde figurou na lista dos mais vendidos da New York Times por semana. Misto de HQ e livro ilustrado, imita um diário de um adolescente cheio de tiradas espirituosas. Neste novo livro, Greg, o personagem principal continua com os mesmos dilemas típicos de sua idade, só que desta vez seu irmão, Rodrick ganha mais holofotes na trama. Tratando de temas como segredo e questões familiares de maneira muito simples e um tanto comovente, Kinney caminha para se tornar um mestre na narrativa pueril que esconde pequenas epifanias. Mesmo esta continuação perder em força criativa, ainda se trata de uma obra esquisita e sui generis dentro da recente literatura para jovens. [PF]

NOTA: 8,0

Sem mais artigos