O grupo russo Pussy Riot teve o processo de apelação negado para o dia 10 de outubro. As três integrantes presas respondem por “vandalismo” e “incitação ao ódio” depois de um protesto em um igreja em Moscou. O tribunal aceitou o pedido de adiamento de uma das jovens, Ekaterina Samutsevich, que estava sem advogado.

Leia Mais: Pussy Riot
Além do julgamento: O que o #FreePussyRiot tem a ver com todos nós, por Juliana Cesar

“O adiamento solicitado por Ekaterina Samutsevich foi aceito. A audiência é adiada para 10 de outubro”, anunciou o presidente do tribunal em Moscou, citado pela France Presse. As integrantes foram condenadas em 17 de agosto a dois anos de prisão depois de um ato de protesto contra Vladimir Putin, no que elas chamaram de “oração punk”.

Ekaterina disse que rompeu com seus advogados, alegando divergências, e que por isso, estava sem defesa. “Considero inaceitável continuar o processo com uma de nós sem advogado”, declarou Maria Alekhina, outra das integrantes do grupo. Elas falaram dentro da famosa caixa de vidro, onde ficam os acusados em um tribunal russo. A terceira membra, Nadejda Tolokonnikova, concordou com a decisão da colega.

Integrantes das Pussy Riot nesta segunda (Foto via NDTV Movies)

Sem mais artigos