Reprodução/Vídeo

Reprodução/Vídeo

O grupo russo Pussy Riot lançou um novo vídeo, o primeiro desde que três integrantes foram condenadas a dois anos de prisão por “vandalismo motivado por ódio religioso” após uma performance na Catedral do Cristo Salvador, de Moscou, em 2012. O novo clipe é uma críticas à indústria do petróleo e também ao governo de Vladmir Putin.

Opinião: O que as Pussy Riot têm a ver com você

O vídeo “Like A Red Prison” (Como Uma Prisão Vermelha) traz integrantes com as máscaras coloridas características da banda dançando ao redor de oleodutos. Elas derramam óleo em um retrato de Igor Sechin, chefe da companhia petroleira Rosneft. Também acusam Putin de trabalhar com a igreja na perseguição aos opositores e também na aumento do conservadorismo.

“Nosso presidente é como um aiatolá do Irã e nossa igreja é como os Emirados Árabes Unidos”, diz as artistas, em trecho citado pela Reuters.

PussyRiot_LikeARedPrison

No ano passado, três integrantes foram presas e levadas a um julgamento bastante criticado por ativistas no Ocidente, Nadezhda “Nadia” Tolokonnikova, Maria “Masha” Alyokhina e Yekaterina “Katerina” Samutsevich. Katerina conseguiu a liberdade depois de um julgamento de apelação. Já Tolokonnikova e Alyokhina segue cumprindo pena de trabalhos forçados em uma prisão na Rússia.

A HBO exibirá este ano um documentário inédito sobre as Pussy Riot, que passou no Festival de Sundance em janeiro.

Sem mais artigos