Da Revista O Grito!, no Recife

Nos últimos meses, o debate sobre as áreas vips dos shows tem recebido mais destaque do que a vinda da banda ou artista ao Brasil. Fãs reclamam que o espaço prejudica quem gosta realmente do som, mas não pode (ou não quer) pagar preços altos para ver seu ídolo de perto. A discussão ganhou mais corpo com a divulgação do chamado front stage do Recife Summer Soul Festival, que trará Amy Winehouse à cidade.

O local fica em frente ao palco e tem capacidade para 4 mil pessoas. É semelhante ao que foi visto no show do Black Eyed Peas no Recife, que enfrentou críticas de que o público que comprou ingressos para pista normal viu o show de uma distância grande comparado ao valor da entrada. Lula Vieira, da produtora Raio Lazer, responsável pelo BEP e também por Amy, defende a manutenção do espaço. “Esta área [premium] garante a proximidade ao palco, porém sem o conforto de espaço garantido nas áreas vip e Premium vendidas em outros shows, pois o pavilhão do centro de convenções tem limitação de espaço”, disse. “Porém garante também acesso a banheiros e bares exclusivos”.

Esta semana, outro show internacional deu gás à polêmica. O U2 proibiu em contrato que sua apresentação da turnê 360º tivesse um espaço vip. Alegando que o espaço pratica segregação, a banda deixou que cada fã encontre o melhor lugar de forma igual. A Time For Fun, empresa que traz os irlandeses ao país disse que “nunca aboliremos a área vip”, em entrevista a Veja, esta semana. A alegação para os preços exorbitantes, muitas vezes pagos não necessiariamente por quem é fã, diz respeito ao conforto.

Nesta quarta (1º), o show do U2 anunciou o chamado Red Zone, que muitos estão instistindo em chamar de área vip. Na verdade, o local não fica em frente ao palco, tirando a visão de outra parte da plateia, e sim nas laterais. Os preços são caríssimos, média de R$ 1 mil, mas segue uma causa nobre. Toda a renda será revertida à campanha que o líder Bono Vox faz contra a aids no continente africano.

Mesmo não tendo uma visão privilegiada, a Red Zone terá banheiros e venda de bebidas exclusiva, além de local para obter objetos personalizados da turnê.


Mapa da plateia no show do U2, destacando a Red Zone (Reprodução)

Detalhes
O Recife Summer Soul Festival, segundo Lula Vieira atenderá todas as necessidades do público. “A segurança foi reforçada, limpeza, além da área totalmente refrigerada”, diz. Haverá também telões de LED nas laterais do palco. E a preocupação de Amy não cantar? É sabido que ela assinou um contrato de valor não revelado que a obriga a pagar pesada multa caso não suba ao palco. “Não temos relatos de problemas com ela nos últimos 02 anos”, conforta Vieira.

O Recife Summer Festival será no dia 13 de janeiro e terá ainda shows de Janelle Monáe e Mayer Hawtorne.

Sem mais artigos