O Prêmio Jabuti, o mais tradicional troféu do mercado editorial brasileiro, anunciou os finalistas de sua 60ª edição. Os vencedores serão conhecidos no dia 8 de novembro, no Auditório Ibirapuera, em São Paulo. Entre os finalistas estão o quadrinista Marcelo D’Salete e os escritores Nuno Ramos e Maria Valéria Rezende.

A premiação foi enxugada de 29 para 18 categorias. O vencedor do Livro do Ano receberá R$ 100 mil. Já o vencedor de cada categoria sai com R$ 5 mil (antes era de R$ 3,3 mil). Além disso apenas um em cada categoria será premiado – antes os três primeiros levavam prêmios.

Foram criadas duas novas categorias: Formação de Novos Leitores e Impressão.

Na categoria de História em Quadrinhos estão indicados Angola Janga, de Marcelo D’Salete, Holandeses, de André Toral, Chico Bento – Arvorada, de Orlandeli, Mensur, de Rafael Coutinho e O Maestro, O Cuco e a Lenda, de Wagner Willian. Gustavo Ravaglio, de O Planta: Um Bípede Entre Plantas, concorre como autor independente.

Na categoria romance concorrem nomes como Nuno Ramos, Lucrecia Zappi, João Silvério Trevisan e Gisele Mirabai. Veja a lista completa no site do prêmio.

Conto
“A face serena” (Penalux), de Maria Valéria Rezende
“A oração do carrasco” (Mondrongo), de Itamar Vieira Junior
“As horas esquecidas” (Quixote+Do Editoras Associadas), de Chico Mendonça
“Catálogo de Perdas” (SESI-SP Editora), de Juliana Monteiro Carrascoza e João Anzanello Carrascoza
“Da utilidade das coisas” (7Letras), de Alexandre Arbex
“Dicionário de línguas imaginárias” (Companhia das Letras), de Olavo Amaral
“Enfim, Imperatriz” (Editora Patuá), Maria Fernanda Elias Maglio
“Não há amanhã” (Editora Zouk), de Gustavo Melo Czekster
“Nina: Desvendando Chernobyl” (Age Editora), de Ariane Severo
“Por onde anda a gata?” (7Letras), de Marlene de Lima

Crônica
“Amizade é também amor” (Bertrand Brasil), de Fabrício Carpinejar
“Branco vivo” (Editora Elefante), de Antonio Lino
“Coisas nossas” (José Olympio), de Luiz Antonio Simas
“Demônios domésticos” (Le Chien), de Tiago Dantas Germano
“Gordos, magros e guenzos” (Cepe Editora), de José Almino de Alencar
“História Bizarra da Literatura Brasileira” (Editora Planeta), de Marcel Antonio Verrumo
“Não está mais aqui quem falou” (Companhia das Letras), de Noemi Jaffe
“O coração da Pauliceia ainda bate” (Editora UNESP), de José de Souza Martins
“O país que não teve infância” (Autêntica), Antonio Callado e Ana Arruda Callado
“O poeta e outras crônicas de literatura e vida” (Global Editora), de Rubem Braga, André Seffrin e Gustavo Henrique

Histórias em Quadrinhos
“A Infância do Brasil” (AVEC Editora), de José Aguiar
“Angola Janga” (Veneta), de Marcelo D’Salete
“Chico Bento – Arvorada” (Panini – Mauricio de Sousa Produções), de Orlandeli
“Holandeses” (Veneta), de André Toral
“Mensur” (Companhia das Letras), de Rafael Coutinho
“Morrer de amor e continuar vivendo” (Editora Amora), de Lorena Kaz
“O Maestro, o Cuco e a Lenda” (Texugo Editora), de Wagner Willian
“O Planta: Um bípede entre plantas” (Autor Independente), de Gustavo Ravaglio
“O sinal” (Marsupial Editora), de Orlandeli
“Semilunar” (Balão Editorial), de Camilo Solano

Infantil e Juvenil
“50 Brasileiras incríveis para conhecer antes de crescer” (Record), de Débora Thomé
“A cor de Coraline” (Rocco Pequenos Leitores), de Alexandre Rampazo
“Adinkra, meu pai…” (Editora Salamandra), de Joaquim de Almeida
“Areia na praia” (Editora do Brasil), de Elma
“Esopo: Liberdade para as fábulas” (Escarlate), de Luiz Antonio Aguiar
“Gente de cor, cor de gente” (FTD Educação), de Maurício Negro
“O Brasil dos dinossauros” (Marte Cultura e Educação), de Luiz Eduardo Anelli e Rodolfo Nogueira
“O dia em que minha vida mudou” (Companhia das Letras), de Keka Reis
“Uma jornada entre dois mundos” (FTD Educação), de Flávia Savary
“Zumbi, assombra quem?” (Nós), de Allan da Rosa

Poesia
“à cidade” (Autor Independente), de Mailson Furtado Viana
“À sombra do iluminado” (7letras), de Pollyanna Furtado Lima
“Câmera Lenta” (Companhia das Letras), de Marília Garcia
“Mecânica aplicada” (Editora Patuá), de Nuno Rau
“Mugido [ou diário de uma doula]” (Edições Garupa), de Marília Floôr Kosby
“Naharia” (Kotter Editorial), de Guilherme Gontijo Flores
“O teatro do mundo” (7Letras), de Catarina Lins
“QVASI: segundo caderno” (Editora 34, de Edimilson de Almeida Pereira
“Ser quando” (7Letras), de Samarone Marinho
“Vento do oitavo andar” (Premius Editora), de Íris Cavalcante

Romance
“Acre” (Todavia), de Lucrecia Zappi
“Adeus, cavalo” (Iluminuras), de Nuno Ramos
“Machamba” (Nova Fronteira), de Gisele Mirabai
“Nigredo: Estudos de morte e dulia” (Cultura e Barbárie), de Joaquim Brasil Fontes
“Noite dentro da noite” (Companhia das Letras), de Joca Reiners Terron
“O clube dos jardineiros de fumaça” (Companhia das Letras), de Carol Bensimon
“Oito do sete” (Editora Reformatório), de Cristina Judar
“Pai, Pai” (Companhia das Letras), de João Silvério Trevisan
“Roupas sujas” (Companhia das Letras), de Leonardo Brasiliense
“Última hora” (Record), de José Almeida Júnior

Tradução
“Alexandra” (Editora 34), tradução de Trajano Vieira
“De duas, uma” (Leandro Sarmatz), tradução de Livia Deorsola
“Ele que o abismo viu: Epopeia de Gilgámesh” (Autêntica), tradução de Jacyntho Lins Brandão
“John Clare: Poemas” (Hoblicua Produção Cinematográfica e Editora), tradução de Aleixei Bueno
“O leopardo” (Companhia das Letras), tradução de Maurício Santana Dias
“O macaco e a essência” (Biblioteca Azul), tradução de Fábio Bonillo
“Pela boca da baleia” (Tusquets Editores), tradução de Luciano Dutra
“Poemas” (Editora da Universidade de São Paulo), tradução de Geraldo Holanda Cavalcanti
“Por que calar nossos amores?” (Autêntica Editora), tradução de Márcio Meirelles Gouvêa Júnior, Guilherme Gontijo Flores, João Angelo Oliva Net, Raimundo Carvalho, João Paulo Matedi Alves e Leandro Cardoso
“Utopia” (Autêntica Editora), tradução de Márcio Meirelles Gouvêa Júnior

Artes
“A fugitiva” (Companhia das Letras), de Lorenzo Mammì
“Cildo – Estudos, espaços, tempo” (Ubu Editora), de Diego Matos e Guilherme Wisnik
“Contornos do (In)visível: Racismo e estética na pintura brasileira (1850-1940)” (Editora da Universidade de São Paulo), de Tatiana Lotierzo
“Corpo a Corpo: A disputa das imagens, da fotografia à transmissão ao vivo” (Instituto Moreira Salles), de Thyago Nogueira
“Estratégias da arte em uma era de catástrofes” (Editora Cobogó), de Maria Angélica Melendi
“Feminino e plural: Mulheres no cinema brasileiro”, de Karla Holanda e Marina Cavalcanti Tedesco (org.) | Editora(s): Papirus Editora
“História do Brasil em 100 fotografias”, de Ana Cecilia Impellizieri Martins e Luciano Figueiredo (Bazar do Tempo)
“Imaginai! O teatro de Gabriel Villela” (Edições Sesc São Paulo), de Dib Carneiro Neto e Rodrigo Louçana Audi
“São Paulo nas alturas: A revolução modernista da arquitetura e do mercado imobiliário nos anos 1950 e 1960” (Publifolha Editora: Selo Três Estrelas), de Raul Juste Lores
“Trocando em miúdos as minhas canções” (Terceiro Nome), de Francis Hime

Biografia
“…como se fosse um deles: Almirante Aragão – Memórias, silêncios e ressentimentos em tempos de ditadura e democracia” (Editora da Universidade Federal Fluminense – Eduff), de Anderson da Silva Almeida
“Abismo de rosas: Vida e obra de Canhoto” (Edições Sesc São Paulo), de Sérgio Estephan
“D. Leopoldina: A história não contada – A mulher que arquitetou a Independência do Brasil” (LeYa), de Paulo Rezzutti
“Flavio Koutzii: Biografia de um militante revolucionário – De 1943 à 1984” (Libretos), de Benito Bisso Schmidt
“Hebe: A biografia” (Editora Best Seller), de Artur Xexéo
“Lima Barreto: Triste visionário” (Companhia das Letras), de Lilia Moritz Schwarcz
“O livro de Jô” (Companhia das Letras), de Jô Soares e Matinas Suzuki Jr.
“Olga Benario Prestes: Uma comunista nos arquivos da Gestapo” (Boitempo Editorial), de Anita Leocadia Prestes
“Roquette-Pinto: O corpo a corpo com o Brasil” (Casa da Palavra), de Claudio Bojunga
“Ruy Guerra – Paixão escancarada” (Boitempo Editorial), de Vavy Pacheco Borges

Humanidades
“A sublimação no ensino de Jacques Lacan: Um tratamento possível do gozo” ((Editora da Universidade de São Paulo), de Clarissa Metzger
“Amor para corajosos” (Editora Planeta), de Luiz Felipe Pondé
“Caminhos da esquerda” (Companhia das Letras), de Ruy Fausto
“Democracia tropical” (Estação Brasil), de Fernando Gabeira
“Dicionário de história da África” (Autêntica), de Nei Lopes e José Rivair Macedo
“O pecado original da República – Debates, personagens e eventos para compreender o Brasil” (Bazar do Tempo), de José Murilo de Carvalho
“O que é lugar de fala?” (Letramento), de Djamila Ribeiro
“Para além das colunas de Hércules, uma história da paraconsistência de Hércules a Newton da Costa” (Editora da Unicamp), de Evandro Luís Gomes e Itala M. Loffredo D’Ottaviano
“Prisioneiras” (Companhia das Letras), de Drauzio Varella
“Reinvenção da intimidade – Políticas do sofrimento cotidiano” (Ubu Editora), de Christian Dunker

Sem mais artigos