Mais um filme fancês chega às telas do Recife, o drama O Escafandro e A Borboleta. Editor da revista Elle, Jean-Dominique Bauby, aos 43 anos, subitamente, tem um derrame cerebral. Acordando 20 dias depois, ainda está lúcido, mas sofre de uma rara paralisia: o único movimento que lhe resta no corpo é o do olho esquerdo. O ainda jovem editor recusa-se a aceitar seu destino e aprende a se comunicar piscando letras do alfabeto, e forma palavras, frases e até parágrafos. Cria um mundo próprio, contando com aquilo que não se paralisou: sua imaginação e sua memória.

O filme é baseado em história real. Bauby faleceu a 9 de Março de 1997, mas deixou este seu testemunho impressionante, bem escrito em O Escafandro E A Borboleta (Livros do Brasil, 1999). O filme levou o prêmio de Melhor Diretor no Festival de Cannes 2007 para Julian Schnabel (Basquiat), por sua narrativa que evita o teor melodramático. O filme estréia em circuito no Rio e São Paulo e tem sessão especial no Recife na mostra de 10 anos do Cinema da Fundação.

O ESCAFANDRO E A BORBOLETA
Julian Schnabel
[Le Scaphandre et le Papillon, França/EUA, 2007]

Distribuidora: LNK
Com: Mathieu Amalric, Emmanuelle Seigner, Marie-Josée Croze

Sem mais artigos